Utilizando máscaras, Bolsonaro e ministros anunciam medidas contra pandemia; confira

Ministros Augusto Heleno (GSI) e Bento Albuquerque (Minas e Energia) testaram positivo para o coronavírus nesta quarta-feira

Por O Dia

Utilizando máscaras, Bolsonaro e ministros anunciam medidas para enfrentar pandemia do coronavírus
Utilizando máscaras, Bolsonaro e ministros anunciam medidas para enfrentar pandemia do coronavírus -
O presidente Jair Bolsonaro dá coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira utilizando máscara ao lado de ministros, que também estão utilizando o equipamento. Ele explicou a medida: "Além do ministro Augusto Heleno, o ministro de Minas e Energia (Bento Albuquerque) também testou positivo para o coronavírus nesta quarta-feira", disse.

O general Augusto Heleno, ministro Gabinete de Segurança Institucional (GSI), testou positivo para o coronavírus na manhã desta quarta-feira.

O presidente afirmou estar alinhado com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que o governo está atento à crise do coronavírus desde que houve operação de resgate de brasileiros em Wuhan. "Começamos a nos preparar. Até que os primeiros casos começaram a aparecer no Brasil. Alguns achavam que a gente deveria suspender o Carnaval. Tivemos esses dias um governador que queria impedir as pessoas de ir à praia. Não só foi um fracasso como o número de pessoas nas praias aumentou", declarou, em uma crítica ao governador do Rio, Wilson Witzel.

Saúde


O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, ressaltou que o enfrentamento à pandemia do coronavírus depende do foco de cada família, especialmente nos cuidados com os idosos, que representam grupo de risco.

Mandetta ressaltou pontos positivos no Brasil para condução dá crise: "Eu tenho entre todos os ministros aqui presentes uma equipe técnica para trabalhar. Obrigado, presidente, pela liberdade que o senhor deu para o ministério da Saúde compor uma equipe técnica", disse.
O ministro da Saúde ressaltou a capilaridade do Sistema Único de Saúde brasileiro (SUS) como ponto positivo no controle da pandemia: "O SUS está presente em todas as cidades brasileiras, não temos uma comunidade quilombola ou indígena que não disponha de uma unidade de saúde".
"Tivemos o primeiro caso de morte, quando já tínhamos pelo menos 300 casos confirmados", disse, avaliando bem a condução da crise.

O ministro disse que todos os estados estão com laboratórios habilitados para rodar exames localmente.

"Estamos trabalhando com produção máxima de kits. Devemos chegar a 1 milhão. Também vamos abrir para outros laboratórios produzirem. Se tivermos capacidade, vamos adquirir mais testes", afirmou o ministro da Saúde. Mandetta anunciou que o ministério oferecerá testes para a população em geral. "Iremos anunciar nos próximos dias o maior atendimento de teleatendimento. Pretendemos fazer um volume de muito controle por algoritmo do contágio de coronavírus", acrescentou.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, também citou que, quando for necessário bloqueios em estradas, a logística deverá ser pensada com interesse nacional para evitar desabastecimento. "Quando isso for feito, é necessário ser feito com ótica mais centralizada", disse.

Cada estado também deverá informar o número da demanda de leitos com e sem respiradores.
Economia
O ministro Paulo Guedes anunciou a suspensão da meta fiscal este ano, disse que serão distribuídas duas cestas básicas para trabalhadores autônomos por mês e que a equipe econômica vai baixar tarifas sobre produtos hospitalares.
Segundo Paulo Guedes, o governo vai lançar um novo benefício assistencial para trabalhadores informais em meio à pandemia da covid-19.

Segundo ele, serão liberados R$ 15 bilhões aos trabalhadores informais durante três meses. O governo vai permitir que o pedido seja feito de forma virtual. "O presidente teve grande preocupação com informais, são 38 milhões de brasileiros". "Essas pessoas não estão no Bolsa Família, nem no BPC (benefício assistencial pago a idosos e pessoas de baixa renda). É um pessoal valente", disse Guedes.
Para que esse dinheiro seja liberado, Guedes diz que o Congresso Nacional precisa reconhecer o estado de calamidade pública no país.
Justiça e Segurança Pública
O ministro Sergio Moro anunciou a publicação de uma portaria para restrição da entrada de estrangeiros provenientes da Venezuela. "Percepção de que medida era necessária para evitar contaminação no Brasil e suportar demanda de atendimento vindo da Venezuela", justificou.
Moro acrescentou que pode haver fechamento de fronteira por motivos sanitários com outros países.
Infraestrutura
Ministro Tarcísio de Freitas disse que medidas estão sendo tomadas para reembolso de passagens aéreas: "(tendo em vista) prazo maior para reembolso em dinheiro e criação de regras para que os consumidores não sejam prejudicados. Ele também disse que trabalha medidas para extensão de prazos de renovação de CNH, para que a população não precise sair de casa para renovar habilitação.
As ações da pasta estão focadas no direito do consumidor, na saúde do trabalhador de Transportes e na ajuda às empresas aéreas, para que não quebrem financeiramente, disse Tarcísio de Freitas.
Casa Civil
O ministro-chefe da Casa Civil, general Braga Netto, destacou que manter a população informada sem alarmismo é uma das melhores formas de prevenção. Ele ressaltou a importância do comitê interministerial formado pelo governo para conter a crise.
Além de Bolsonaro, participam da coletiva os ministros Walter Braga Netto (Casa Civil), Tarcísio Freitas (Infraestrutura), Sergio Moro (Justiça), Paulo Guedes (Economia), Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Rogerio Marinho (Desenvolvimento Regional) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres.

Comentários