Com grande procura por respiradores, governo do estado tem tido dificuldade de adquirir unidades para suprir a necessidade nos hospitais - Divulgação
Com grande procura por respiradores, governo do estado tem tido dificuldade de adquirir unidades para suprir a necessidade nos hospitaisDivulgação
Por O Dia
Bahia e Ceará - Em meio à pandemia do novo coronavírus e à dificuldade de se ter todos os equipamentos médicos no tratamento de pacientes com covid-19, o Consórcio Nordeste, grupo que reúne os nove governadores da região, comprou 600 respiradores artificiais da China -  seriam 400 para a Bahia e 200 para o Ceará -, mas a empresa asiática cancelou o contrato de R$ 42 milhões, sem dar explicações.
Segundo informou a assessoria da Casa Civil do governo baiano, “a operação de compra dos respiradores foi cancelada unilateralmente pelo vendedor". Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta falou sobre a suspensão dos fornecimentos, que, de acordo com ele, acontecem porque outros países oferecem maior valor financeiro para ter os equipamentos, como respiradores e máscaras.
Publicidade
"Hoje, os Estados Unidos mandaram 23 aviões cargueiros para a China para levar o material que eles adquiriram. As nossas compras, que tínhamos a expectativa de concretizá-las para poder fazer o abastecimento, caíram em grande quantidade", revelou o político.
Mandetta ainda afirmou que o Ministério tinha previsão de distribuir 200 milhões de equipamentos de proteção, mas a entrega foi cancelada.
Publicidade