Equipes lutam para conter queimadas no pantanal

Mais de 1,5 milhão de hectares já foram devastados pelo fogo

Por Agência Brasil

Mato Grosso estima que uma área de 204 mil hectares já tenha sido atingida pelo fogo nos municípios de Barão de Melgaço e Poconé
Mato Grosso estima que uma área de 204 mil hectares já tenha sido atingida pelo fogo nos municípios de Barão de Melgaço e Poconé -
As equipes de bombeiros de Mato Grosso e de Mato Grosso do Sul continuam lutando contra o incêndio na região do Pantanal, em uma operação que teve início na primeira semana de agosto. O governo de Mato Grosso estima que uma área de 204 mil hectares já tenha sido atingida pelo fogo nos municípios de Barão de Melgaço e Poconé.
Os números do estado vizinho são mais abrangentes. Segundo o Corpo de Bombeiros do Mato Grosso do Sul (CBMS), foram 910 mil hectares de vegetação do Pantanal, no lado sul-mato-grossense, queimados entre janeiro e agosto. No mesmo período, 640 mil hectares teriam sido destruídos pelo fogo no estado vizinho. “São 1,55 milhão de hectares de vegetação atingida pelo fogo no Bioma Pantanal em 2020”, disse o tenente-coronel Moreira, do CBMS.
De acordo com Moreira, os focos atualmente se concentram em três áreas, no Sesc Pantanal, no Mato Grosso; em Corumbá e na terra indígena Kadweus. Segundo A coordenadora do Centro Estadual de Monitoramento do Tempo e do Clima de Mato Grosso do Sul, Franciane Rodrigues, há possibilidades de chuva na região nesta semana.
A Operação Pantanal II, feita em conjunto entre os governos dos dois estados e do governo federal, reduziu de 301 para 50 o número de focos de incêndio na região. Já os focos de calor caíram 73%. Segundo levantamento realizado na última sexta-feira (14) os focos de calor passaram de 1.370, registrados no dia 7 de agosto, para 368.
Além disso, o Comitê de Gestão Estadual do Fogo, de Mato Grosso, mobilizou uma força-tarefa para prestar atendimento aos animais silvestres atingidos pelos incêndios. O grupo seguiu ontem (15) para a região atingida e vai elaborar um plano de contingência. O grupo é formado pela Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros Militar, Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Comentários