Itamaraty divulga declaração conjunta sobre comércio de etanol Brasil e EUA

A questão do etanol é sensível para a campanha de reeleição do presidente Donald Trump, que está de olho nos votos do chamado "corn belt"

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Ministério das Relações Exteriores
Ministério das Relações Exteriores -
Brasília - O Ministério das Relações Exteriores divulgou uma declaração conjunta com o governo dos Estados Unidos em que informam que os dois países decidiram realizar "discussões orientadas" para chegar a um "arranjo" que aumente o acesso ao mercado do etanol, no Brasil, e do açúcar, nos Estados Unidos. Segundo o texto, os países também considerarão um incremento no acesso ao mercado de milho em ambos os países. De acordo com o Itamaraty, o mesmo documento será divulgado pelo governo norte-americano.

A divulgação do comunicado foi antecipada pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado. O documento é visto pelo governo brasileiro como uma oficialização das negociações para um acordo comercial envolvendo os três produtos As negociações durarão 90 dias e, pelo mesmo tempo, o governo brasileiro prorrogou a cota isenta de impostos para a importação do etanol norte-americano.

De acordo com o comunicado, as discussões buscarão alcançar resultados "recíprocos e proporcionais que gerem comércio e abram mercados para o benefício de ambos os países".

"Os dois países também discutirão maneiras de garantir que haja um acesso justo ao mercado paralelamente a qualquer aumento no consumo de etanol, bem como de coordenar-se e garantir que as indústrias de etanol em ambos os países sejam tratadas de maneira justa e se beneficiem de mudanças regulatórias futuras em produtos de biocombustíveis no Brasil e nos Estados Unidos", afirma o texto.

O comunicado ressalta ainda que os dois países concordaram com as negociações "no espírito da parceria econômica criada sob a liderança dos Presidentes Bolsonaro e (Donald) Trump, reconhecendo a necessidade de continuar a tratar construtivamente dos efeitos das crises geradas pela pandemia da covid-19 em seu comércio bilateral e na sua produção doméstica"

Como mostrou o Broadcast mais cedo, a Câmara de Comércio Exterior aprovou a prorrogação por mais 90 dias da cota pela qual os Estados Unidos podem exportar etanol sem tarifa para o Brasil. A cota deverá ser de 62,5 milhões de litros, ou 187,5 milhões de litros para os três meses. O montante é equivalente à cota que vigorava até o fim de agosto.

Desde o início deste mês, todo o etanol vendido pelos EUA ao Brasil paga tarifa de 20%. Até então, havia uma cota de 750 milhões de litros por ano que poderia ser exportada sem taxa, cujo prazo expirou em agosto.

A questão do etanol é sensível para a campanha de reeleição do presidente Donald Trump, que está de olho nos votos do chamado "corn belt", onde é produzido o milho, do qual é feito o etanol dos EUA. No início de agosto, o presidente americano, sem dar detalhes, ameaçou retaliar o Brasil pela cobrança de taxas sobre o etanol e disse que era necessário uma "equalização de tarifas".

Comentários