Mourão diz que Ustra, condenado por tortura na ditadura, era um 'homem de honra'

Vice-presidente disse que 'tinha uma amizade muito próxima' com o coronel condenado em segunda instância por tortura durante a ditadura militar brasileira

Por O Dia

Hamilton Mourão
Hamilton Mourão -
Rio - O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, elogiou o ex-chefe do DOI-Codi da ditadura militar, Carlos Alberto Brilhante Ustra, condenado em segunda instância por tortura durante o regime.
Em entrevista concedida à agência alemã DW nesta quinta-feira, Mourão disse que "tinha uma amizade muito próxima" com Ustra e que o torturador "era um homem de honra e um homem que respeitava os direitos humanos de seus subordinados". 
"O que posso dizer sobre o homem Carlos Alberto Brilhante Ustra, ele foi meu comandante no final dos anos 70 do século passado, e era um homem de honra e um homem que respeitava os direitos humanos de seus subordinados. Então, muitas das coisas que as pessoas falam dele, eu posso te contar, porque eu tinha uma amizade muito próxima com esse homem, isso não é verdade", disse o vice-presidente.
Questionado pelo entrevistador sobre as torturas, Mourão desconversou: "Em primeiro lugar, não estou alinhado com a tortura, e, claro, muitas pessoas ainda estão vivas daquela época, e todas querem colocar as coisas da maneira que viram. É por isso que eu disse antes que temos que esperar que todos esses atores desapareçam para que a história faça sua parte. E, claro, o que realmente aconteceu durante esse período ... esse período passou", concluiu.

Comentários