Sargento da Polícia Militar de São Paulo é suspeito de ser um dos principais matadores de aluguel do PCC - Imagem ilustrativa/Creative Commons
Sargento da Polícia Militar de São Paulo é suspeito de ser um dos principais matadores de aluguel do PCCImagem ilustrativa/Creative Commons
Por ESTADÃO CONTEÚDO
Os desembargadores da 1ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) mantiveram a condenação de seis pessoas por tráfico de drogas dentro do Centro de Detenção Provisória 1 ASP Giovani Martins Rodrigues de Guarulhos (CDP 1 de Guarulhos). Três dos réus são apontados como integrantes do PCC e um deles era funcionário da penitenciária.
No julgamento, os magistrados analisaram um recurso dos réus contra a sentença de primeira instância que os condenou por organização criminosa e associação para o tráfico. Foi dado parcial provimento a alguns dos recursos dos réus, sendo imputadas penas que variam de três a oito anos de reclusão. As informações foram divulgadas pela corte paulista.
Publicidade
Segundo os autos, a droga passava por várias pessoas até chegar dentro da cadeia por meio de um agente do estabelecimento prisional, que cobrava R$ 3.500 para levar o material até um dos detentos, que vendia aos outros presos. O mesmo funcionário também foi acusado de pedir R$ 2.500 para repassar celulares a detidos, sendo condenado, além de quatro anos em regime inicial fechado, à perda do cargo público.
De acordo com o relator do recurso, desembargador Diniz Fernando, além dos documentos que instruem o processo, principalmente conversas citadas na denúncia, um delegado detalhou a conduta de cada réu.