Pedido para uso emergencial da Coronavac deve ser analisada pela Anvisa em até 10 dias
 - Divulgação/Instituto Butantan
Pedido para uso emergencial da Coronavac deve ser analisada pela Anvisa em até 10 dias Divulgação/Instituto Butantan
Por iG
O Ministério da Saúde informou na tarde deste sábado (09) que assinou um acordo com o Instituto Butantan para distribuir doses da Coronavac para todos os estados. O imunizante, de acordo com a pasta, vai fazer parte do Programa Nacional de Imunização e deve ser distribuído gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Em comunicado, o ministério disse que a vacinação deve começar “tão logo os imunizantes receberem a autorização da Anvisa”. O Butantan enviou a documentação para a agência reguladora na última sexta-feira (08) e deve receber a sinalização para o uso emergencial da vacina em até 10 dias.

O acordo entre o Ministério da Saúde e o instituto foi firmado após uma reunião realizada na sexta-feira, em que técnicos e membros do Butantan discutiram a eficácia da vacina, fabricada em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Na quinta-feira (07), o Governo do Estado anunciou que a Coronavac tem 78% de eficácia.

"Assim, brasileiros de todo o país receberão a vacina simultaneamente, dentro da logística integrada e tripartite, feita pelo Ministério da Saúde e as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde", afirmou a pasta comandada por Eduardo Pazuello.

Em coletiva para informar a negociação com farmacêuticas para a aquisição de imunizantes, Pazuello afirmou que o Governo Federal requisitou a compra de 46 milhões de doses da vacina do Butantan . O instituto, horas depois do anúncio, confirmou o pedido.

No comunicado emitido neste sábado, o Ministério da Saúde informa que as doses da Coronavac serão distribuídas conforme a população de cada estado. Entretanto, ainda não há uma data prevista para o repasse dos imunizantes.