Número de vacinados no Brasil chega a 6,3 milhões, 2,99% da população - Geraldo Gonçalves/PMVR
Número de vacinados no Brasil chega a 6,3 milhões, 2,99% da populaçãoGeraldo Gonçalves/PMVR
Por IG - Saúde
São Paulo - Desde o início da vacinação contra a Covid-19, o Brasil registrou pelo menos 4,7 mil denúncias de fura-filas. Os dados são de um levantamento feito pelo programa Profissão Repórter com base nas reclamações recebidas pelos Ministérios Públicos Estaduais e pela Ouvidoria Nacional do Ministério Público. Apenas os MPs de Minas Gerais e Paraná não disponibilizaram os dados.
De acordo com a reportagem do programa, o número de denúncias pode ser ainda maior porque há outros órgãos, como as ouvidorias dos governos dos estados e as secretarias de saúde, que podem receber as reclamações.
Publicidade
Além disso, alguns Ministérios Públicos Estaduais apenas conseguiram passar dados parciais para o levantamento, de apenas algumas cidades ou setores do órgão, por conta da falta de consolidação das reclamações.
As denúncias de fura-filas são reclamações sobre supostas fraudes na imunização contra a Covid-19, em que pessoas que não fazem parte dos grupos prioritários foram vacinadas antes das outras. Ao todo, foram 4.675 casos recebidos pelos Ministérios Público.
Publicidade
Depois que as denúncias são recebidas, os órgãos geralmente fazem um processo de triagem para identificar quais casos devem ser, de fato, encaminhados às Promotorias de Justiça competentes para serem investigados.
"Como os promotores têm independência funcional, não há uma centralização desses dados com o nível de detalhe necessário para saber se a denúncia é referente a fura-fila de vacina ou a outra questão referente ao programa de imunização. Por isso, mesmo quando solicitamos dados na ouvidoria, eles não representam a realidade devido a essa forma pulverizada de recebimento de denúncias", afirma o MP-MG em nota.
Publicidade
O Ministério Público do Paraná também afirma que não há centralização de recebimento de denúncias. "Aqui, no Ministério Público, cada promotoria tem um procedimento para acompanhar a aplicação das vacinas, e, no âmbito desses procedimentos, são investigadas eventuais denúncias. Mas essas denúncias são recebidas em cada comarca”, diz o órgão.
No trâmite, se a investigação desses casos apontar que realmente houve ilegalidade na aplicação da vacina, o Ministério Público pode oferecer uma denúncia criminal ou entrar com uma ação por improbidade administrativa contra a pessoa que furou a prioridade da vacinação.