Cientistas brasileiros comprovam infecção simultânea por duas variantes
Cientistas brasileiros comprovam infecção simultânea por duas variantesReprodução
Por
A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) divulgou uma série de mapas sobre o agravamento da pandemia de Covid-19 no Brasil. Desde julho de 2020, o Observatório Covid-19 tem publicado boletins quinzenais sobre o coronavírus e apresenta dados sobre a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), casos e óbitos por covid-19 e taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19 para adultos no Sistema Único de Saúde (SUS).

"Observar na sequência de 17 mapas, mesmo no período entre a segunda metade de julho e o mês de agosto, quando foram registrados os maiores números de casos e óbitos, não tivemos um cenário como o atual, com a maioria dos Estados e Distrito Federal na zona de alerta crítica", alerta o novo documento.
Seguindo padrão preconizado pela OMS, as taxas de ocupação são classificadas em zona de alerta crítica (vermelho) quando iguais ou superiores a 80%, em zona de alerta intermediária (amarelo) quando iguais ou superiores a 60% e inferiores a 80%, e fora de zona de alerta (verde) quando inferiores a 60%.
Publicidade
"Como podemos observar na sequência de 17 mapas abaixo, mesmo no período entre a segunda metade de julho e o mês de agosto, quando foram registrados os maiores números de casos e óbitos, não tivemos um cenário como o atual, com a maioria dos estados e Distrito Federal na zona de alerta crítica", diz o boletim.

Essa série histórica de mapas evidencia que a ocupação de leitos de UTI para Covid-19 em todos os estados e Distrito Federal houve crescimento nas últimas semanas e levou alguns lugares ao colapso hospitalar. Em 1º de março, apenas o Sergipe estava no nível de alerta baixo. Outros sete estados estão em alerta médio e todos os outros em nível crítico de alerta.
Mapa de ocupação de leitos no país - Divulgação
Mapa de ocupação de leitos no paísDivulgação