Tour conta a história da imprensa carioca

Além dos veículos já extintos, o tour contará a história de outros, como Gazeta do Rio de Janeiro, Correio da Manhã, Diário do Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, O Globo, Extra, O Dia

Por O Dia

Guia de turismo Juliana Fiuza, idealizadora do 'Revelando a História da Imprensa Carioca'
Guia de turismo Juliana Fiuza, idealizadora do 'Revelando a História da Imprensa Carioca' -

Rio - Se você quer conhecer a história de um país ou de uma cidade é sempre importante olhar para os livros de história e também para a imprensa local. Em uma época com fake news atirando para tudo que é lado, nada melhor que se debruçar sobre o trabalho jornalístico para aprender a distinguir o que é fato e o que é falso. Foi agindo assim, utilizando fragmentos históricos de jornais e outros tipos de veículos de comunicação para aumentar a riqueza em seu trabalho, que a guia de turismo Juliana Fiuza chegou a conclusão da necessidade de apresentar a história dos periódicos do Rio de Janeiro e, assim, ela lança o passeio cultural “Revelando a História da Imprensa Carioca”, que levará os participantes a conhecerem os segredos e os bastidores do trabalho jornalístico no Rio de Janeiro através de um walking tour pelas ruas que mais marcaram o cotidiano dos jornalistas cariocas desde que a imprensa surgiu na cidade.

Utilizando como base a própria imprensa ou mais precisamente fragmentos de jornais e revistas antigos, leituras de livros de historiadores e jornalistas e diversas visitas à Biblioteca Nacional, Juliana preparou um roteiro que abordará como tudo começou não apenas para a imprensa, mas também na formação da cidade e país que vivemos atualmente: “O início da imprensa marca como a colônia vivia isolada do mundo, afinal, até a chegada da Família Real, não circulavam jornais ou revistas pelo Rio, mesmo com a criação da tipografia por Gutemberg há anos na Europa. Revistas como a Fon-Fon ditavam a moda feminina, revistas como O Cruzeiro criavam opiniões e comportamentos. Impossível separar a história do Rio da história da imprensa”. Além destes veículos já extintos, o tour contará a história de outros, como Gazeta do Rio de Janeiro, Correio da Manhã, Diário do Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, O Globo, Extra, O Dia.

A pesquisa também serviu, além de montar o passeio, para Juliana conhecer curiosidades pouco conhecidas sobre a imprensa carioca, a principal é justamente a diversidade que se deu durante o crescimento da profissão jornalística no Rio de Janeiro: “Cada jornal e revista, por mais que fosse impresso na mesma gráfica, ou compartilhasse um colaborador, jamais o conteúdo seria o mesmo, devido as identidades distintas que cada uma possuía”. Além disto, duas situações inusitadas foram descobertas por Juliana: a primeira é que os primeiros contos de Guimarães Rosa publicados foram na revista O Cruzeiro, mesmo quando ele ainda morava em Minas Gerais; e a paixão do cineasta norte-americano Orson Welles pela atriz Rita Hayworth surgiu após ele ver o rosto da atriz pela primeira vez em uma capa d’O Cruzeiro, após isto os dois se casaram".

Outros nomes marcantes para a imprensa carioca também estarão presentes durante o tour, como Stanislaw Ponte-Preta, Nelson Rodrigues, Lima Barreto e Samuel Wainer. O passeio, que será realizado em 23 de março, começa na Praça Mauá e termina no Bar Amarelinho, na Cinelândia, local que foi a redação do jornal Dom Casmurro. No decorrer do passeio serão visitados os antigos endereços das redações, como Rua Miguel Couto, Rua da Assembleia e Rua Gonçalves Dias. O início é às 10h e termina às 12h. O valor é o pedido de uma contribuição a partir de R$ 10 por pessoa, acima de vinte é possível parcelar.

Serviço:

Revelando a História da Imprensa Carioca. Local de encontro: Museu de Arte do Rio (Praça Mauá). Datas: 23 de março. Início às 11h e términos às 13h. Valor: contribuições a partir de R$10. Aceita dinheiro, cartão de crédito e débito. Link do evento: https://www.facebook.com/events/2118727821543670/

Comentários