'Eu gaguejava muito', diz Carol Duarte

Intérprete da Stefânia de 'O Sétimo Guardião', atriz comenta a cura da gagueira de sua personagem e faz um alerta para quem acha que um papel é superficial

Por Gabriel Sobreira

Carol Duarte
Carol Duarte -

Rio - De homem trans ('A Força do Querer', de 2017) para uma prostituta gaga — que há algum tempo não é mais prostituta e muito menos gaga — em 'O Sétimo Guardião', ambas novelas da Globo. Carol Duarte, de 25 anos, adora personagens complexos. Mas não é só isso. Para ela, qualquer papel, por mais simples que seja, tem muitas profundezas e suas contradições. "É uma armadilha para um ator olhar para um personagem que inicialmente parece raso. Se é superficial, é assim por algum motivo e isso já me interessa", defende a intérprete da Stefânia.

GAGUEIRA

Na novela de Aguinaldo Silva, a ex-menina de Ondina (Ana Beatriz Nogueira) teve a gagueira curada e abandou o ofício no bordel. "No começo, eu gaguejava muito. Estava demais (risos). O ritmo da cena perdia porque até eu falar já foi o comercial, já está no ar o filme depois da novela", exagera, aos risos. "Tanto que, depois, eu pedia direto pro diretor pra voltar com a gagueira, mas a história tinha que seguir um outro rumo", diz a intérprete, referindo-se ao romance da personagem com o funcionário público João Inácio (Paulo Vilhena).

Além de buscar contradições de seus personagens, Carol também procura as "dores" delas. E com a ex-gaga não poderia ser diferente. "A Stefânia não mostra (as dores). Não fica tão exposto. Ela de uma maneira geral está sorrindo. Quando ela diz que não quer falar sobre a família dela, ela fala sorrindo. É uma personagem que tem um 'poço', que se a gente desce muito, encontramos muita coisa do passado e muitas dores", arrisca.

FILHA PERDIDA?

Acha que ela pode ser a tal filha perdida de Ondina? "Acho que não. Até porque elas já têm uma relação quase de mãe e filha. Mas, pensando bem, até pode ser. Nunca tinha pensado nisso. Agora você ventilando essa ideia, é possível, afinal, novela é uma obra aberta", comenta.

Stefânia (Carol Duarte) e João Inácio (Paulo Vilhena) - Reprodução

RETA FINAL

O fato é que, com a aproximação da reta final do folhetim, Carol não imagina um desfecho melhor do que o que Stefânia já vive: casada com o amor da vida dela. Mas como tudo pode melhorar. "Pode ter um embate legal entre ela e Mirtes (Elizabeth Savala). Uma personagem conservadora e preconceituosa e a Stefânia pode vir a se vingar", diverte-se ela, que ganhou destaque na TV como o Ivan/Ivana de 'A Força do Querer'.

"Foram muitos testes e até fui eliminada no meio, e depois voltei. Meu maior receio era não conseguir que a personagem fosse adiante do jeito que precisava. Isso me deu receio, chegava em casa e pensava sobre isso. Mas foram tantos fatores para dar certo que aceitei", lembra.

ÍNTIMO E PESSOAL

Carol conta que tudo na novela foi trabalhoso e prazeroso, em igual proporção. E que valeu a pena. Apesar de que suas cenas nunca eram simples. "Teve gravidez, espancamento, antes da transição, transição, conflito com a mãe. E viver isso por muitos meses é exaustivo. Mas sempre pensei que era uma personagem que tinha que ser muito bem feita em cena, e muito bem respondida fora dela. Ainda mais no Brasil, que é o país que mais mata LGBT, e depois dessa reviravolta política que a gente teve", afirma ela, que é homossexual assumida e vive um relacionamento com a fotógrafa Aline Klein.

"Estava falando sobre uma questão LGBT na novela para além de mim. Não dava e não queria que fosse escondido. Eu sou essa atriz, que tem isso tudo, que é paulistana, que é branca, magra, que é sapatão. Tudo isso me constitui como atriz", frisa.

Carol Duarte com a parceira, a fotógrafa Aline Klein - Reprodução

FUTURO

Quando o assunto é o futuro, Carol está cheia de planos. Este ano, estreia o filme 'A Vida Invisível', de Karim Aïnouz, baseado no livro 'A Vida Invisível de Eurídice Gusmão', de Martha Batalha. A história trata da relação entre as irmãs Guida (Julia Stockler) e Eurídice (Carol) no Rio de Janeiro de 1950. Tem também o espetáculo 'As Siamesas — Talvez Eu Desmaie no Front', que volta em cartaz em São Paulo, de 19 a 28 de julho, de sexta a domingo, no Teatro Contêiner Mungunzá, no bairro Santa Ifigênia. E não para por aí. "Possivelmente, vou fazer uma série na Globo, ainda não sei se posso falar, mas vai rolar. Vamos produzir coisas. Não dá pra parar", destaca, animada.

Galeria de Fotos

Carol Duarte Julia Rodrigues/Divulgação
Carol Duarte com a parceira, a fotógrafa Aline Klein Reprodução
Stefânia (Carol Duarte) e João Inácio (Paulo Vilhena) Reprodução
Katiucha (Lyv Ziese), Stefênia (Carol Duarte), Adamastor (Theodoro Cochrane), Luciana (Josie Pessoa), Januária (Mila Carmo) e Ondina (Ana Beatriz Nogueira) Divulgação
Carol Duarte caracterizada como Stefânia de 'O Sétimo Guardião' Divulgação / TV Globo

Comentários