Vem ler com eles!: estrelas de 'Bom Sucesso' falam sobre seus hábitos de leitura

Novela mostra o dia-a-dia de uma editora; Antonio Fagundes (Alberto) reclama que as pessoas passam mais tempo no WhatsApp do que lendo

Por Nathalia Duarte

Marcos (Romulo Estrela) Bom Sucesso
Marcos (Romulo Estrela) Bom Sucesso -
'Bom Sucesso' está conquistando o público com um enredo leve sobre a jornada dupla de uma mãe trabalhadora que é apaixonada por leitura. É entre as idas de Paloma (Grazi Massafera) ao Cacique de Ramos e as viagens da personagem pelas histórias dos livros, que o público conhece um pouco mais do universo da mãe solteira de três filhos. Imersos nas histórias dos personagens, alguns atores contam como é a relação deles com os livros fora das telinhas.
Paloma é tão aficcionada por livros, que deu aos filhos os nomes de personagens famosos na literatura tanto brasileira, quanto internacional: Peter (João Bravo), Gabriela (Giovanna Coimbra) e Alice (Bruna Inocencio). Mas, diferentemente de sua personagem, Grazi Massafera não teve o mesmo estímulo de leitura em família.
"Lá na minha casa, quando eu pegava um livro para ler, minha mãe falava: 'Vai trabalhar!'. Livro era uma coisa de pessoa que não tinha o que fazer. Infelizmente ainda é assim. Na verdade, é o contrário. O hábito de ler tem que ser desenvolvido desde cedo. Recentemente, estava lendoo livro'A Morte é Um Dia que Vale a Pena Viver', de Ana Claudia Quintana Arantes. É maravilhoso", explica a atriz, que tenta estimular a leitura para a filha Sofia, de 7 anos. "Leio com a minha filha, nós sentamos juntas para ler. É tão bom".
Alberto ( Antonio Fagundes ) e Paloma ( Grazi Massafera ) Bom Sucesso - Globo/ Raquel Cunha
Filha de Grazi na novela, Giovanna Coimbra interpreta Gabriela, cujo nome, inclusive, é inspirado no clássico de Jorge Amado. A relação da atriz com os livros vem muito antes da personagem. 
"Eu amo ler! Desde pequena tive o incentivo da minha família na leitura. E costumo dizer que os livros têm uma forte influência na minha inclinação pro mundo artístico, porque, desde muito pequena minha mãe lia livros para mim e me contava que “antes de eu ler, eu já lia”. Com uns 4 anos, quando eu nem era alfabetizada ainda, eu simplesmente decorava todos os livros que ela lia para mim e contava pra ela, como se estivesse lendo. E amava interpretar todos os personagens da história", explica a atriz.
Gabriela (Giovanna Coimbra) tem o nome inspirado no clássico de Jorge Amado - Globo/João Cotta
Na trama das 19h, a Editora Prado Monteiro, de Alberto (Antônio Fagundes), passa por uma crise financeira. O cenário não é muito distante da vida real, já que uma pesquisa feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que o número de livrarias e papelarias em funcionamento no país encolheu 29% na última década.
Isso significa que, aproximadamente, 21 mil livrarias e papelarias deixaram de existir no país. Na novela, Alberto encontra a oportunidade de se restabelecer publicando uma biografia não autorizada de Silvana Nolasco (Ingrid Guimarães). Já Antônio Fagundes vê que as estatísticas mudariam caso as pessoas revessem o tempo que gastam com outras atividades mais supérfluas.
"É engraçado. As livrarias de rua estão fechando. Temos novos veículos exigindo muito da gente. Se quem passa três horas do dia no WhatsApp usasse esse período para ler, leria pelo menos dois livros por semana. O tempo está diretamente relacionado ao interesse", pontua.
A biografia de Suzana é publicada por Marcos (Romulo Estrela), filho de Alberto que, ao saber da crise da editora e da doença do pai, decide ajudá-lo nos negócios da família. Para o ator, é de extrema importância uma novela que aborde tão profundamente o tema que se faz realidade em nossa sociedade.
"É ótimo que a novela aborde isso. Li muito pouco na infância e na minha juventude. Comecei a ler porque senti necessidade disso na minha profissão. Acho que a literatura começa na infância. É ali que a gente cria bons leitores. Isso forma o nosso caráter. O prazer na leitura nem sempre se dá no primeiro nem no segundo livro, mas uma hora chega", diz Romulo.
Marcos (Romulo Estrela) Bom Sucesso - Globo/João Cotta
Além da crise financeira causada pela diminuição de vendas no país, outro fator que influencia no dia a dia da Prado Monteiro é a presença de Diogo (Armando Babaioff). O vilão se aproveita do amor de Nana (Fabíula Nascimento) para estar próximo das causas da editora e bolar planos para provocar a falência ou tentar estimular a venda do negócio da família. Ao contrário do personagem, o ator espera que a novela estimule a leitura dos telespectadores.
"Ter uma novela que aborda esse tema, não só por ele em si, mas pelos personagens, é muito importante. Temos personagens com nomes inspirados em livros, temos citações de livros durante a novela, histórias de personagens inspiradas em histórias de livros. Isso é enriquecedor", explica Babaioff, que mistura literatura nacional e internacional em seus livros favoritos. "'O Auto da Compadecida', de Ariano Suassuna, 'Dois Irmãos', de Milton Hatoum e 'Cem Anos de Solidão', de Gabriel García Márquez, foram livros que, posso dizer com certeza, mudaram a minha vida".
Diogo (Armando Babaioff) Bom Sucesso - Globo/Victor Pollak

Galeria de Fotos

Marcos (Romulo Estrela) Bom Sucesso Globo/Victor Pollak
Alberto ( Antonio Fagundes ) e Paloma ( Grazi Massafera ) Bom Sucesso fotos Globo/Victor Pollak
Alberto ( Antonio Fagundes ) e Paloma ( Grazi Massafera ) Bom Sucesso Globo/ Raquel Cunha
Alberto ( Antonio Fagundes ) e Paloma ( Grazi Massafera ) Globo/Ellen Soares
Alberto (Antonio Fagundes) Bom Sucesso Globo/João Cotta
Marcos (Romulo Estrela) Bom Sucesso Globo/João Cotta
Diogo (Armando Babaioff) Bom Sucesso Globo/Victor Pollak
Gabriela (Giovanna Coimbra) tem o nome inspirado no clássico de Jorge Amado Globo/João Cotta