McDonald's: Tradicional McLanche Feliz está passando por mudanças. Confira!

Lanche das crianças quer ser mais natureba

Por ISTOÉ ECONOMIA

Tradicional McLanche Feliz está passando por mudanças
Tradicional McLanche Feliz está passando por mudanças -
Rio - Os novos hábitos de consumo levaram a Arcos Dorados, franqueadora master do McDonald’s para a América Latina, a repensar o cardápio de um dos seus principais itens: o McLanche Feliz. Quem visitou algum dos 975 restaurantes da empresa no País a partir da sexta-feira (9) já deve ter sentido a diferença.

Galeria de Fotos

Tradicional McLanche Feliz está passando por mudanças Divulgação
Tradicional McLanche Feliz está passando por mudanças Divulgação
Tradicional McLanche Feliz está passando por mudanças Divulgação
Tradicional McLanche Feliz está passando por mudanças Divulgação
As combinações de um dos carros-chefes do portfólio da empresa agora apresentam mais opções de frutas e vegetais. O objetivo é oferecer uma dieta balanceada que contenha até 600 calorias ao público infantil. “É um processo que nós iniciamos em 2011”, diz João Branco, diretor de marketing da Arcos Dorados no Brasil. “Precisamos usar a nossa escala para oferecer opções que sejam mais adequadas e que atendam mais as preocupações que os consumidores têm sobre a alimentação infantil.”

O processo de reformulação no cardápio do McLanche Feliz foi iniciado no início desta década. Em 2011, a rede de restaurantes criou um tamanho kids de batatas e inseriu frutas, como a maçã, no portfólio. Dois anos depois, os refrigerantes deixaram de fazer parte do combo. Já em 2015, a rede implementou ‘tomatinhos’ como opção de acompanhamento mais saudável. A última inovação até então tinha sido no segundo semestre de 2018, quando o McDonald’s criou o Mini Tasty, que veio acompanhado com purê de maçã e suco de uva, ambos naturais, sem aditivos de açúcares. “Estamos reformulando a lista de opções do Mc Lanche Feliz para garantir que todas as combinações cumpram um critério nutricional mais rigoroso do que nos praticávamos até então”, afirma Branco. “Este novo critério tem limites mais restritos de calorias, de perfil nutricional, do percentual de calorias provenientes de gordura sódio e adição de açúcar.”

Para entender as demandas de pais e mães, a rede de restaurantes realizou um estudo em parceria com a consultoria Trendsity. Foram ouvidas 2,3 mil famílias em seis países da América Latina: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru. Só no Brasil, onde o McDonald’s atende cerca de 2 mil clientes por dia, o estudo coletou informações de 450 famílias. “Com a pesquisa, entendemos que oito em cada 10 mães e pais da América Latrina gostariam que as casas de fast food oferecessem alternativas mais equilibradas para a nutrição infantil”, diz Branco. Segundo o estudo, 87% dos ouvintes brasileiros visitam redes de fast food ao menos uma vez por mês. A pesquisa também chegou à conclusão de que seis em cada 10 pais e mães se sentem suficientemente informados sobre nutrição infantil, mas que boa parte deles – cerca de 80% – também admite que existam muitas informações confusas ou contraditórias. “Isso é uma necessidade latente. As pessoas querem se sentir mais tranquilas sobre o nível de alimentação que estão dando aos filhos”, comenta Branco.
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ingestão calórica diária ideal para uma criança entre 6 e 10 anos gira em torno de 1,8 mil calorias. Antes das mudanças implementadas no cardápio, algumas combinações do McLanche Feliz poderiam ultrapassar a faixa de 700 calorias. Agora, o combo mais saudável – água mineral, nuggets, tomate e iogurte – não ultrapassa 220 calorias. “Dependendo das opções feitas pelos consumidores, a mudança é substancial. Nós estamos falando de uma refeição que corresponde a, no máximo, um terço das calorias recomendadas para o dia de uma criança”, diz Branco. Questionado se a empresa pensa em incluir sanduíches vegetarianos no cardápio do McLanche Feliz, o executivo disse que ainda não é o momento, mas não descarta novas alterações no portfólio, de acordo com a demanda dos consumidores.

Comentários