Semana de feirões para renegociar

Ações no Largo da Carioca oferecem a clientes bancários com dívidas chance de descontos de até 90%

Por Larissa Esposito*

Comissão de Defesa do Consumidor da Alerj promove mutirão para negociar dívidas a partir de segunda
Comissão de Defesa do Consumidor da Alerj promove mutirão para negociar dívidas a partir de segunda -

Rio - Quem está no vermelho do cheque especial da conta bancária ou estourou o limite do cartão de crédito pode aproveitar a semana que vem para acertar os débitos com as instituições financeiras. De segunda até a sexta-feiras, da próxima semana, os clientes com débitos em atrasados vão ter dois feirões para renegociar as dívidas. Uma será promovida pela Comissão de Defesa do Consumidor (Codecon), da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). A outra pelo Procon Carioca, com neste caso com a possibilidade de descontos de até 90%.

O mutirão da Codecon acontecerá das 9h às 17h, no Largo da Carioca, localizado no Centro do Rio. O consumidor poderá consultar na hora se o nome está sujo ou limpo na praça, com o SPC Rio. Os atendimentos presenciais das negociações vão contar com representantes da Caixa Econômica Federal, Santander, BMG, Bradesco e Itaú. Os interessados deverão levar CPF, carteira de identidade e comprovante de residência.

Já o feirão do Procon Carioca vai ocorrer das 10h às 16h, também no Largo da Carioca. Técnicos do órgão farão o atendimento de rotina, recebendo e encaminhando as reclamações dos clientes para os bancos. Além disso, as equipes disponíveis vão ensinar os clientes a acessarem o site www.consumidor.gov.br para renegociarem as dívidas de forma online até o dia 20 de setembro.

Nessa campanha virtual, os retornos são mais rápidos: "Em até dez dias, a instituição financeira deverá responder direto ao consumidor sobre o pedido de renegociação", diz Benedito Alves, presidente Procon Carioca.

Segundo os bancos participantes, as condições de negociação e o valor dos descontos nas dívidas dependem do tipo de operação de crédito dos clientes, bem como da situação atual de cada contrato. Mas o consumidor tem como garantir economia de pelo menos 80%, de acordo as dicas da educadora e consultora financeira Raffaela Fahel.

"Primeiro, é importante se preparar e ter uma proposta para a renegociação. Prefira sempre pagamentos à vista, porque tendem a oferecer descontos maiores", orienta. "Por exemplo, se a dívida estiver em R$10 mil e o cliente tiver R$1 mil em mãos, o banco pode aceitar".

Iniciativas dos bancos

Algumas instituições financeiras promovem campanhas para renegociar as dívidas de seus clientes diretamente nas agências e em canais de atendimento.

A Caixa, por exemplo, prorrogou até 31 de dezembro a iniciativa Você no Azul. No Rio, mais de 24 mil contratos foram liquidados, o que corresponde a cerca de R$185 milhões em dívidas quitadas. Os descontos chegam a 90% para pagamento à vista.

Até quinta-feira, o Itaú oferece parcelamento de débitos em até 60 vezes e prazo de três meses para pagar a primeira parcela. "Queremos que o cliente reorganize sua vida e aproveite as datas festivas e os dias de descanso do fim de ano com o nome limpo", afirma Adriano Pedroti, diretor da instituição.

 
Qual débito deve ser priorizado?
 
Se o consumidor tem dúvidas sobre qual débito deve priorizar na renegociação, a educadora e consultora financeira Raffaela Fahel chama a atenção para as taxas de juros. 
 
"A dica para o cliente é separar os juros, os prazos e valores de dívidas parceladas. Com isso, ele poderá decidir qual débito tem prioridade e que deve ser renegociado com urgência", aconselha a especialista, ressaltando que o cheque especial é um dos que têm juros mais altos.
 
Durante a negociação, é essencial que o consumidor entenda e guarde todos os documentos e contratos.
 
Diretor do Itaú, Adriano Pedroti ressalta que "é importante que a pessoa seja pontual na quitação das parcelas para não voltar a ter o nome negativado". E reitera: "Em caso de novos parcelamentos, o consumidor deve diminuir o custo de vida mensal para poder honrar com as prestações e não cair em inadimplência".
 
* Estagiária sob supervisão de Max Leone. 

 

Comentários