Gasolina ficará mais cara se poços de petróleo da Arábia Saudita sofrerem novos ataques

Política de preços da Petrobras considera mercado internacional

Por Larissa Esposito*

Ataques na Arábia Saudita provocam alta nos preços do petróleo
Ataques na Arábia Saudita provocam alta nos preços do petróleo -
Rio - O consumidor brasileiro corre risco de sentir no bolso uma alta nos preços da gasolina caso aconteçam mais ataques às instalações petrolíferas na Arábia Saudita, no Oriente Médio, como o que aconteceu no último sábado. A variação no mercado internacional serve de base para a política de preços da Petrobras. E um repasse para nos postos pode ocorrer em um cenário futuro.
"O litro da gasolina pode aumentar e os custos serão repassados, o que impacta entre outros pontos, na passagem de ônibus", explica o economista Eduardo Bassin.
O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Décio Oddone, informou que interpreta os ataques como aumento na percepção de risco no mercado, "o que deve refletir nos preços, mesmo após a retomada plena do suprimento saudita".
A Petrobras informou que continuará observando o comportamento do preço do petróleo no mercado internacional até decidir se vai revisar os valores dos derivados no Brasil. Na prática, significa que o consumidor não será afetado no curto prazo, porque a estatal vai segurar os preços. A ideia é dar continuidade à política atual, que atrela os valores aos valores praticados no mercado internacional, com repasses à medida que há mudança de patamar de preços.
Por outro lado, a alta do preço do barril de petróleo pode aumentar a arrecadação do governo federal e estados produtores. Além disso, vai contribuir para interessar grandes petroleiras internacionais nos próximos leilões bilionários de áreas de exploração de óleo e gás.
BOLSA DE VALORES
O Ibovespa fechou em alta de 0,17% ontem, devido a disparada das ações da Petrobras, que encerrou em +4,39%. O dólar teve leve alta 0,07% cotada R$ 4,08.

*Estagiária sob supervisão de Max Leone

Comentários