Advogado aciona CBF na Justiça para que conversas do VAR sejam mostradas ao vivo

Ação seria motivada por lances duvidosos e o juiz deu cinco dias para a CBF se manifestar

Por O Dia

Árbitro de vídeo
Árbitro de vídeo -
Rio - O advogado Mauro Salomão foi à Justiça para acionar a CBF no Juizado do Torcedor do Rio de Janeiro com o objetivo de obrigar a entidade a revelar os áudios e vídeos entre árbitros de vídeo e de campo captados na cabine do VAR ao vivo durante os jogos do Campeonato Brasileiro.
Na ação, Salomão cita lances duvidosos da arbitragem nesta edição do Brasileirão, a primeiro com o uso da tecnologia do árbitro de vídeo. O advogado baseia sua argumentação no artigo 5º do Estatuto do Torcedor.
"São asseguradas ao torcedor a publicidade e transparência na organização das competições administradas pelas entidades de administração do desporto, bem como pelas ligas de que trata o art. 20 da Lei no 9.615, de 24 de março de 1998".
O juiz Bruno Monteiro Ruliere deu prazo de cinco dias para a CBF se manifestar. Procurada, a CBF informou que não foi citada.

Comentários