Atlético Carioca acusa Jobson de calote

Empresa que representa o atacante rebate: 'Amadorismo'

Por LUCIANO PAIVA

Jobson, segundo empresário, tem contrato com o Brasiliense até 2021
Jobson, segundo empresário, tem contrato com o Brasiliense até 2021 -
Anunciado no último dia 22 como reforço do Atlético Carioca para a disputa da Série C do Campeonato Carioca, o atacante Jobson se envolveu em mais uma polêmica. De acordo com o presidente do clube de São Gonçalo, Maicon Villela, ele foi vítima de um calote no valor de R$ 1.500 — 50% do acordado para o primeiro jogo.
Ainda segundo o dirigente, o ex-atacante do Botafogo, atualmente no Brasiliense, receberia R$ 3 mil por cada compromisso que o Lobo disputasse no Estádio Municipal Alziro de Almeida, o Alzirão, em Itaboraí. Sendo assim, como a equipe faria quatro partidas em casa na primeira fase da competição, Jobson receberia R$ 12 mil.
"Nós pagaríamos as despesas com hospedagem, as passagens de avião e toda alimentação, nos mesmos moldes que fizemos com o Túlio (Maravilha) no ano passado. Nós pagamos 50% do valor do primeiro jogo e pagaríamos o restante quando ele atuasse. Então pedimos que ele gravasse um vídeo confirmando o acerto, chamando a torcida, mas ele não cumpriu o combinado e depois começou a dar desculpas", contou Villela.
Caso Jobson conseguisse ajudar ao Atlético Carioca a chegar às finais da Série C do Rio, o atacante poderia ganhar até R$ 30 mil. "Quem iria investir um valor desse no Jobson depois de tudo o que ele passou?", indagou o presidente, referindo-se aos casos de estupro, doping e acidente de carro.
Perder o adiantamento de R$ 1,5 mil é o de menos para o presidente do Atlético Carioca. Ele contou que o seu prejuízo é muito maior e não sabe mais o que fazer. "Perdemos hoje o nosso patrocinador master: R$ 60 mil. Além disso, não teremos mais cota dos direitos de transmissão e de imagem, patrocinadores pontuais que iriam divulgar suas marcas nos duelos, ou seja, o prejuízo foi grande, algo na casa dos R$ 100 mil. Não vou aceitar que me rotulem de mentiroso. Isso não se faz", desabafou Villela.
Amadorismo
Procurado pelo MEIA HORA, a empresa que se diz responsável pela gerência da carreira de Jobson, a RCF Sports, reconheceu o teor das conversas divulgadas pelo presidente do Atlético Carioca com o jogador nas redes sociais. No entanto, explicou que o seu cliente tem contrato com o Brasiliense até 2021, sendo que ele não poderia ter sido anunciado sem nada assinado. Ainda segundo a empresa, o caso foi classificado como "amadorismo" do clube de São Gonçalo.