Caso Daniel: Após adiamento, sete réus são ouvidos pela Justiça em Curitiba

Envolvidos serão interrogados até sexta-feira e falam pela primeira vez desde o assassinato, em outubro de 2018; Veja a situação de cada réu:

Por Lance

O jogador foi morto em outubro do ano passado
O jogador foi morto em outubro do ano passado -
Paraná - Os interrogatórios do Caso Daniel com os sete réus do processo iniciaram, na manhã desta quarta-feira, no Fórum de São José dos Pinhais, em Curitiba. Será a primeira vez que os réus falaram após o crime, que aconteceu em outubro de 2018.

O interrogatório deve seguir até a sexta-feira, dia 9, e começou com o depoimento de Allana Brites, filha de Edison Brittes, assassino confesso do ex-jogador Daniel Correa Freitas. Antes dela, às 8h, outra testemunha foi ouvida sobre o crime. A audiência estava marcada para agosto, porém, apenas três testemunhas foram depôr. Os outros envolvidos participarão nesta nova leva de audiências.

Após Allana ser escutada, os documentos apontam que Evellyn e Edison podem ser os próximos a falarem. Mas a ordem entre os acusados pode ser alterada.

Acompanhe a situação de cada um dos réus:

Edison Brittes Júnior - homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor e coação no curso do processo;

Cristiana Brittes - homicídio qualificado por motivo torpe, coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor;

Ygor King - homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor;

Allana Brittes - coação no curso do processo, fraude processual e corrupção de adolescente;

David Willian da Silva - homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e denunciação caluniosa;

Eduardo da Silva - homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor;

Evellyn Brisola Perusso - denunciação caluniosa, fraude processual, corrupção de menor e falso testemunho.

RELEMBRE O CASO

O empresário Edison Brittes assumiu, em depoimento à polícia, ter matado o jogador Daniel Correia, de 24 anos. O caso aconteceu na madrugada do dia 27 de outubro do ano passado, na casa de Brittes em Curitiba. Edison alegou que defendia a esposa de suposto estupro de Daniel, que estava no quarto do casal.

Para a Polícia Civil e o Ministério Público, não houve estupro. Seis acusados de se envolverem no assassinato estão presos e Evellyn Perusso, acusado de falso testemunho e calúnia na denúncia, responde em liberdade. Daniel estava atuando no São Bento, emprestado pelo São Paulo. O jogador também tem passagens por Coritiba e Botafogo.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários