Ex-jogador da Seleção admite que brasileiro preso na Rússia levava remédios para seu sogro

No entanto, em depoimento, o atleta contou uma versão diferente às autoridades

Por O Dia

Volante Fernando já vestiu a camisa da Seleção
Volante Fernando já vestiu a camisa da Seleção -
Rio - O volante Fernando, ex-Seleção e que atualmente está no Beijing Guoan-CHN, falou pela primeira vez sobre o caso do brasileiro Robson Oliveira, preso desde o dia 18 de março na Rússia acusado de tráfico por levar medicamentos a pedido de sua família para o país. Em entrevista ao "Esporte Espetacular", o jogador admitiu que o remédio era para uso de seu sogro, William Faria.
"Eles foram parados no aeroporto e a gente imediatamente mandou o prontuário, receita, passaporte do meu sogro, tudo que fosse necessário para provar que o remédio era do meu sogro, porque realmente o remédio era do meu sogro. Em momento algum a gente escondeu qualquer coisa do tipo. Se não ficou claro, estou aqui abertamente falando: o remédio era para o meu sogro", disse o atleta.
No entanto, a declaração é diferente da que foi dada por Fernando em depoimento às autoridades russas, em que disse desconhecer o modo que os remédios foram recebidos no Brasil e que não mantém contato com o sogro.
O jogador ainda afirmou que tentou de todas as formas ajudar Robson a sair da cadeia.
"Desde o começo, a gente fez de tudo para que o Robson saísse de lá. Mas, infelizmente, só com as nossas forças isso não está sendo suficiente. Eu venho aqui, através da minha imagem, pedir para que as autoridades da Rússia e do Brasil, principalmente, possam se sensibilizar com essa situação do Robson. Para que possam entrar em contato com o governo da Rússia e dessa forma possam pedir a deportação do Robson o mais rápido possível"
Robson Oliveira está preso por ter entrado na Rússia com comprimidos do remédio Mytedom, medicamento a base de metadona, usado para dores crônicas. No Brasil, a substância é legalizada. Porém, ilegal na Rússia.

Comentários