Mais Lidas

Rodrigo Maia diz que é cobrado pela mãe para ser leal a Temer

Em entrevista, presidente da Câmara revelou que também foi procurado por parlamentares e empresários para debater papel de presidente

Por rodrigo.sampaio

Brasília - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reforçou sua lealdade ao presidente Michel Temer e revelou que é cobrado pela mãe para não conspirar contra o peemedebista. Em entrevista ao programa Roberto D’Avila, da "Globonews", ele disse que foi procurado por parlamentares e empresários para debater um eventual papel de presidente da República, mas afirmou que respondeu que não é essa sua função.

Primeiro na linha sucessória, Maia revelou que é cobrado pela mãe para que não conspire contra o presidenteAgência Brasil/ Fabio Rodrigues Pozzebom

"Digo (a quem me procura) que meu papel é presidir a Câmara e de minha parte não haverá nenhum movimento que prejudique o presidente. O árbitro nem votar vota, ele preside a sessão. Eu não posso me movimentar nem numa posição nem noutra. Dentro de casa sou cobrado para ser leal, como aprendi com meu pai e minha mãe", afirmou Maia no programa veiculado na noite desta segunda-feira.

Maia é o primeiro na linha sucessória e assumirá o cargo de Temer provisoriamente por 180 dias se a Câmara admitir o processo contra o peemedebista e o STF aceitar a denúncia. A votação está prevista para 2 de agosto e são necessários 342 votos para que o processo prossiga.

"Sou cobrado todo dia pela minha mãe. Ela me mandou uma mensagem de texto e eu até assustei: 'Você não vai conspirar, né?' (Respondi:) 'Você me ensinou que eu tenho de ser leal e assim eu sou’'. Mostrei (a mensagem da mãe) para o presidente (Temer)", afirmou Maia. A mãe do deputado é a chilena Mariangeles Ibarra Maia e seu pai é o ex-prefeito e vereador no Rio César Maia (DEM).

Sobre o resultado da votação para autorizar ou não a abertura do processo contra Temer, Maia disse que "os deputados é que vão julgar". "Meu papel como presidente da Câmara é não ter posição sobre esse assunto. Além de presidir a sessão que vai decidir pela abertura ou não da denúncia, no momento seguinte ainda tenho vários (pedidos de) processos de impeachment para ser decididos."

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia