Mulher suspeita de decapitar ex-marido tentou subordinar policiais

Para polícia, Andreia Kotowsi armou uma emboscada para Edivaldo Dias, pedindo para que ele fosse consertar um carro durante a madrugada

Por O Dia

Andreia Kotovski, de 28 anos, responderá por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver do pedreiro Edivaldo Dias
Andreia Kotovski, de 28 anos, responderá por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver do pedreiro Edivaldo Dias -

Rio - Uma mulher presa na sexta-feira suspeita de ter matado de forma brutal o ex-marido em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, será investigada pela morte de outro ex-companheiro e do irmão da vítima. Andreia Kotowsi, de 28 anos, deve ser indiciada por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de Edivaldo Dias, pedreiro de 38 anos. A mulher foi presa em flagrante por corrupção ativa na sexta-feira, após oferecer R$ 10 mil aos policiais para escapar da prisão.

Desaparecido desde o dia 13 de outubro, o corpo do pedreiro foi encontrado sem a cabeça no último dia 16 por moradores da área rural de Colombo, Região Metropolitana de Curitiba. No dia seguinte, crianças curiosas com a situação foram até os arredores e acharam a cabeça da vítima, que foi sepultada separadamente ao corpo.

O delegado responsável pelo caso, Tito Barrichelo, acredita que Andreia tenha armado uma emboscada para o ex-marido. A vítima disse ao pai que recebeu uma ligação durante a madrugada do dia 13 para que consertasse um carro ligado à Andréia. Em seguida, ele desapareceu. O veículo utilizado no crime ainda não foi encontrado.

Em coletiva de imprensa nesta segunda-feira, Tito Barrichelo revelou que uma testemunha disse ter recebido uma oferta de R$ 5 mil de Andreia para matar Edivaldo, mas não aceitou. 

Edivaldo Dias, de 38 anos, havia registrado boletim de ocorrência contra a suspeita; ela teria tentado esfaqueá-lo - Reprodução/ Facebook

Outra testemunha contou o que ouviu da investigada, dando detalhes de como decapitou o pedreiro.

O delegado disse que a arma utilizada foi um punhal da mulher, que ainda não foi apreendido.

Para Tito Barrichelo, trata-se de um crime passional. "Era uma relação muito tumultuada: havia medida protetiva pedida por ela, e boletins de ocorrência produzidos por ele inclusive com facadas".

Ele disse que a decapitação demonstra uma raiva muito grande no crime. Demonstrando esse 'traço enérgico passional' do homicídio.

O delegado comentou um episódio recente em que Andreia, acompanhada de uma pessoa que está sob investigação, perguntou por Edivaldo em um bar e disse que 'o chumbo iria comer se o encontrasse'. A Polícia Civil de Almirante Tamandaré apura se houve coautoria no crime. 

Andreia Kotovski, de 28 anos, ofereceu R$10 mil para que policiais não a prendessem - Divulgação

Segundo o delegado, o caso da morte de um ex-companheiro de Andreia também será reaberto. "Existe a esperança de conseguirmos apurar esse homicídio". 

À imprensa, Andreia disse que não queria Edivaldo morto, mas preso. A polícia diz que a argumentação faz parte da defesa da suspeita. O delegado responsável acredita que ela cometeu um crime passional a sangue frio e ressalta que a suspeita teve a prisão preventiva e temporária decretadas, já que tentou subordinar os policiais.

Ao todo cinco testemunhas foram ouvidas, entre elas duas sigilosas, concluindo a investigação. 

A suspeita foi presa por policiais da Delegacia de Almirante Tamandaré em Rio do Oeste (SC), onde estava foragida.

Galeria de Fotos

Andreia Kotovski, de 28 anos, responderá por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver do pedreiro Edivaldo Dias Divulgação
Andreia Kotovski, de 28 anos, ofereceu R$10 mil para que policiais não a prendessem Divulgação
Edivaldo Dias, de 38 anos, havia registrado boletim de ocorrência contra a suspeita; ela teria tentado esfaqueá-lo Reprodução/ Facebook

Últimas de Brasil