Comitê avalia que Brumadinho pode ter mais vítimas do que Mariana

Apesar do volume de resíduos lançados ao meio ambiente após o rompimento de barragens em Brumadinho ser menor que o de Mariana, o acidente atingiu a parte administrativa da Vale, onde trabalham 613 pessoas, em três turnos, além de 28 profissionais terceirizados

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Área administrativa da Vale, onde estavam funcionários, foi atingida, assim como a comunidade da Vila Ferteco. A lama agora começa a chegar ao centro do município
Área administrativa da Vale, onde estavam funcionários, foi atingida, assim como a comunidade da Vila Ferteco. A lama agora começa a chegar ao centro do município -

Minas Gerais - Equipe do Comitê de Crise criado para acompanhar o rompimento das barragens de Brumadinho, em Minas, avalia que o desastre do início desta tarde de sexta-feira, pode ter proporções maiores do que o acidente ocorrido há três anos, em Mariana.

Até o momento, Corpo de Bombeiros de Minas Gerais afirmou que cerca de 200 pessoas estão desaparecidas.

Com o rompimento das duas barragens, o risco é de que 1 milhão de litros de resíduos de mineração sejam lançados no meio ambiente. Uma quantidade menor do que os 50 milhões lançados no desastre de Mariana. O problema, no entanto, é de que o acidente desta vez atingiu a parte administrativa da Companhia Vale do Rio Doce. Trabalham na unidade 613 pessoas, em três turnos, além de 28 profissionais terceirizados. O receio é de que o número de vítimas no acidente de hoje seja bem mais elevado, sobretudo de funcionários da empresa.

A equipe também acompanha o risco de os dejetos atingirem o Rio Paraopeba. Caso esse cenário se concretize, há a possibilidade de o abastecimento de Belo Horizonte ser atingido. Uma operação de emergência, para envio de água para áreas afetadas pelo abastecimento, já começa a ser desenhada.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários