Post de Carlos Bolsonaro faz Rodrigo Maia 'explodir'

No Instagram, o vereador do Rio indagou: 'Por que o presidente da Câmara está tão nervoso?', após Moreira Franco, padrasto de Maia, ser preso; publicação repercutia atrito entre presidente da Câmara e ministro Sergio Moro

Por O Dia

Carlos Bolsonaro aproveitou viagem do pai para visitar o Palácio do Planalto
Carlos Bolsonaro aproveitou viagem do pai para visitar o Palácio do Planalto -

Rio - Uma alfinetada do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) fez o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), explodir quando já estava irritado ao saber da prisão do padrasto de sua mulher, o ex-ministro de Minas e Energia Moreira Franco, na quinta-feira. É que o "zero dois" de Bolsonaro repercutiu, nas redes sociais, o mal-estar entre o ministro da Justiça e Maia acerca do pacote anti-crime de Moro.

No Instagram, Carlos indagou: "Por que o presidente da Câmara está tão nervoso?". E, no Twitter, escreveu: "Há algo bem errado que não está certo!", escreveu, comentando um posicionamento de Sergio Moro, rebatendo críticas de Maia. "O povo brasileiro não aguenta mais", afirmou Moro.

Galeria de Fotos

Carlos Bolsonaro pergunta por que Rodrigo Maia está nervoso após Moreira Franco, padrasto da mulher do presidente da Casa, ser preso Reprodução/ Instagram
Carlos Bolsonaro irrita Rodrigo Maia ao repercutir posicionamento de Sergio Moro, que cobra agilidade em tramitação de seu pacote anti-corrupção Reprodução/ Twitter

O presidente da Câmara alega que combinou com o presidente Bolsonaro priorizar a tramitação da reforma da Previdência, enquanto Moro insiste que seu pacote seja encaminhado em paralelo. 

Maia procurou interlocutores no governo que alertaram o presidente Jair Bolsonaro de que era preciso conter Carlos sob o risco de o deputado abandonar a articulação para aprovação da reforma da Previdência.

Na tarde de quinta-feira, o presidente da Câmara mandou recado a apoiadores de Bolsonaro que o atacam, ressaltando sua articulação pela reforma da Previdência do governo.

No sábado, em um churrasco na casa de Maia, um interlocutor também já havia dito a Bolsonaro que ou ele dava "um basta" na guerra pelas redes sociais ou a situação ficaria complicada para o governo. O recado foi o de que até mesmo ele poderia ser considerado avalista das agressões virtuais. Bolsonaro respondeu que não tinha como controlar seus milhões de seguidores.

Maia ataca Moro e desqualifica pacote

Rodrigo Maia (DEM-RJ) elevou o tom contra Sergio Moro na quarta-feira, quando rebateu declarações do ministro da Justiça e Segurança Pública, que cobrou o início da tramitação do pacote anticorrupção simultaneamente à discussão da reforma da Previdência. Maia afirmou que o ministro é "funcionário" de Bolsonaro e que se o governo quiser mudar a tramitação das propostas a demanda deve partir do presidente. 

"Funcionário do presidente Bolsonaro? Conversa com o presidente Bolsonaro e se o presidente Bolsonaro quiser, conversa comigo. Eu fiz aquilo que acho correto", afirmou Maia.

Mais cedo, Moro havia participado do lançamento da Frente Parlamentar de Segurança, a chamada bancada da bala, e disse que procuraria Maia para pedir celeridade à sua proposta. "Vou conversar respeitosamente com o presidente da Casa", disse o ministro pela manhã.

Isso porque o presidente da Câmara decidiu criar um grupo de deputados que, por 90 dias, analisará o projeto de Moro e outros com a mesma temática, antes de enviá-lo a uma comissão da Casa, o que, na prática, "trava" a discussão das propostas.

Maia afirmou que o ministro conhece "pouco a política". "Não estou irritado, mas acho que ele conhece pouco a política. Eu sou presidente da Câmara, ele é ministro, funcionário do presidente Bolsonaro. Então, o presidente Bolsonaro é quem tem que dialogar comigo. Ele está confundido as bolas. Ele não é presidente da República. Não foi eleito para isso. Está ficando uma situação ruim para ele", afirmou o parlamentar.

Cópia e cola

Maia ainda acusou Moro de "copiar" uma outra proposta encaminhada ao Congresso pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. "O projeto é importante. Aliás, ele (Moro) está copiando projeto do ministro Alexandre de Morais, copia e cola. Então tem poucas novidades no projeto dele", disse. "Vamos apensar um ou outro projeto, mas o prioritário é o do ministro Alexandre de Moraes. No momento adequado, depois de votar a Previdência, vamos votar o projeto dele. O que precisamos é que o ministério da Justiça diga, com a estrutura que tem, como enfrentar o combate ao crime organizado".

A reação de Maia também ocorre após virar alvo de apoiadores de Bolsonaro nas redes sociais por críticas à proposta de reforma da Previdência apresentada pelo governo. Ele também causou indignação entre militares por ter afirmado, anteontem, que a categoria chegou no "fim da festa" ao propor a reestruturação das carreiras como contrapartida a mudanças nas regras de aposentadoria.

Fiador

Maia é o fiador da reforma da Previdência na Câmara e, se quiser, pode prejudicar a tramitação do texto. Até agora, o deputado também estava ajudando a construir a base aliada.

No auge da irritação nesta quinta-feira, Maia disse que não entendia por que estava sendo atacado. "Estou aqui para ajudar. Se acham que estou atrapalhando, eu saio", avisou. 

*Com Estadão Conteúdo

Comentários