Confederação Israelita do Brasil chama de 'inaceitável' fala de Alvim e pede afastamento do secretário

Para a entidade, a fala do secretário é 'inaceitável' e 'é um sinal assustador' da visão de cultura dele

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Roberto Alvim, secretário especial da Cultura
Roberto Alvim, secretário especial da Cultura -
São Paulo - A Confederação Israelita do Brasil (Conib) repudiou o vídeo no qual o secretário da Cultura, Roberto Alvim, cita trechos de um discurso do ministro da Propaganda nazista, Joseph Goebbels, e pede o afastamento imediato de Alvim do cargo. Para a entidade, a fala do secretário é "inaceitável" e "é um sinal assustador" da visão de cultura dele.

"Emular a visão do ministro da Propaganda nazista de Hitler, Joseph Goebbels, é um sinal assustador da sua visão de cultura, que deve ser combatida e contida", afirmou, em nota, a Conib.
Leia: Planalto diz que não se manifestará sobre fala de Alvim: 'secretário já se manifestou oficialmente'

A confederação lembrou que Goebbels foi um dos principais líderes do regime nazista, "que empregou a propaganda e a cultura para deturpar corações e mentes dos alemães e dos aliados nazistas a ponto de cometerem o Holocausto".
Leia: Alvim diz que cópia de discurso de Goebbels foi coincidência, mas que 'frase em si é perfeita'

O nazismo foi responsável pelo extermínio de 6 milhões de judeus na Europa. A Conib lembrou ainda o papel do País na Segunda Guerra Mundial para pedir o afastamento de Alvim da Secretaria Especial da Cultura.

"O Brasil, que enviou bravos soldados para combater o nazismo em solo europeu, não merece isso", disse a entidade. "Uma pessoa com esse pensamento não pode comandar a cultura do nosso país e deve ser afastado do cargo imediatamente."
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários