O presidente do Inep, Alexandre Lopes - Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O presidente do Inep, Alexandre LopesFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Por O Dia
Rio - O gabarito oficial do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, divulgado na quarta-feira, foi alterado após acusações de preconceito. Segundo o G1, o presidente do Inep afirmou que a mudança aconteceu porque tinha um erro, não por haver "questão de racismo".
"Não comentamos as questões. O que houve foi uma remissão errada. O gabarito não foi mudado por questão de racismo. O que houve foi a correção do gabarito", disse Alexandre Lopes.
Publicidade
Uma das perguntas apontava como correta uma alternativa que dizia que a mulher negra que não quer alisar seu cabelo tem argumentos "imaturos". 
Na primeira divulgação, a alternativa do gabarito oficial do Enem apontava letra "d" como certa: "demonstram uma postura de imaturidade". Após a repercussão negativa, o gabarito foi corrigido para "c": "revelam uma atitude de resistência".
Publicidade
O Inep disse que foi encontrada "uma inconsistência no material".

"A autarquia verificou que uma modificação feita no gabarito após o retorno das provas para o Inep não foi salva no banco de dados. Em função disso, a área técnica providenciou uma revisão no material e o instituto já disponibilizou as versões corrigidas no seu portal", afirma a nota divulgada.
A outra questão que foi alterada afirmava que o Google associava nomes de pessoas negras a fichas criminais por causa da "linguagem", não do "preconceito". A pergunta dizia "o texto permite o desnudamento da sociedade ao relacionar as tecnologias de informação e comunicação com o(a)...". A resposta, segundo o gabarito extraoficial, é: "preconceito". O Inep, inicialmente, havia indicado que a resposta certa seria "linguagem". Depois, fez a correção.