Instituto Butantan dobrou a capacidade de liberação das doses, com novas contratação de pessoal para o transporte - Divulgação/Instituto Butantan
Instituto Butantan dobrou a capacidade de liberação das doses, com novas contratação de pessoal para o transporteDivulgação/Instituto Butantan
Por
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira, dia 17, que o Instituto Butantan vai antecipar a entrega das 54 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 contratadas pelo Ministério da Saúde. Anteriormente prevista para o mês de setembro, o governador disse que até agosto a pasta deve receber os imunizantes.
As doses complementam o contrato inicial de 46 milhões de doses, somando 100 milhões de doses que serão produzidas em São Paulo. O contrato entre o Instituto Butantan e o Ministério da Saúde foi assinado nesta terça-feira, dia 16.
 
O Ministério da Saúde vem sendo criticado sobre a demora e, consequentemente, a falta de vacinas nos municípios e Estados brasileiros. O próximo lote está previsto para ser recebido na próxima terça-feira, 23, com 3,4 milhões de doses da Coronavac. O anúncio foi feito pelo governador de SP, durante coletiva nesta quarta-feira. 

Às 15 horas (de Brasília) está prevista reunião do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com os governadores para tratar da liberação dos imunizantes para os estados.

"Faço aqui um apelo para que o Ministério da Saúde viabilize mais vacinas e disponibilize vacinas para todos os governos estaduais para que possam imunizar a população nos seus Estados através dos seus municípios. É inaceitável que tenhamos capitais, cidades, que não têm mais vacina e alguns estados que estão na fase final de disponibilidade de vacinas", disse Doria.

Escassez

Mais cedo, durante lançamento de programa de testes da Coronavac em Serrana (SP), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que "a falta da vacina decorre fundamentalmente de uma falta de planejamento do nosso Ministério da Saúde".

"Os municípios que terminaram estoques de vacina tem de ser aplaudidos. Eles cumpriram a meta de vacinação", afirmou Covas.

Segundo ele, o instituto dobrou a capacidade de liberação das doses, com novas contratação de pessoal para o transporte.