Pazuello foi o terceiro ministro da saúde durante a gestão de Bolsonaro.
Pazuello foi o terceiro ministro da saúde durante a gestão de Bolsonaro.Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Por IG - Último Segundo
Rio - O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello já planejava não comparecer à CPI para prestar depoimento marcado para esta quarta-feira, desde o último final de semana, quando participou de um 'treinamento' do Planalto junto à consultoria FSB para responder às perguntas da comissão. As informações são da jornalista Malu Gaspar.
Segundo interlocutores, o general estava muito tenso e com medo de ser preso logo após prestar depoimento. "Ele tremia", contou uma testemunha do treinamento. Um dos receios de Pazuello era que o governo federal 'abandonasse' a defesa do ex-ministro em algum momento.
Publicidade
O ex-ministro também ficou preocupado com a entrevista dada pelo ex-secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten, à revista Veja, em que Pazuello é responsabilizado por recusar comprar vacinas oferecidas pela farmacêutica estadunidense Pfizer.
Nesta terça-feira, Pazuello comunicou à CPI que não comparecerá ao depoimento presencial alegando contato recente com coronéis contaminados por covid-19. 
Publicidade
Em resposta, o presidente da CPI, Omar Aziz, disse que Pazuello vai, sim, depor presencialmente, nem que a comissão tenha que esperar os 14 dias de quarentena considerados necessários para excluir a chance de disseminação do vírus. 
Acompanhe a sessão da CPI ao vivo:
Publicidade