Em julho de 2021, Bolsonaro já havia dito que "Centrão" é um nome "pejorativo" para se referir a esse grupo de partidos que atua no CongressoAFP

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a justificar sua filiação ao Partido Liberal (PL), cujo líder, Valdemar Costa Neto, foi preso e condenado no escândalo do mensalão, durante os governos do PT. "Vocês votaram em um cara que foi do Centrão", declarou o chefe do Executivo nesta segunda-feira, 10, em entrevista à rádio Jovem Pan.
"Se eu fosse para o PP, seria criticado, se fosse para o PTB, seria. Se eu fosse para qualquer partido, eu seria criticado. O cara fala 'ah, o Centrão'. Vocês votaram num cara que foi do Centrão. Eu fui do PP por muito tempo. Fui do PTB. Fui do PFL", disse Bolsonaro. "Não quer dizer que todas as pessoas que estejam lá mereçam ser rejeitadas pela sociedade", acrescentou, fazendo críticas à esquerda.
Para justificar sua aliança com o Centrão para a campanha eleitoral deste ano, quando deve concorrer à reeleição, Bolsonaro recorreu a uma analogia. "É a mesma coisa que o cara que fala que quer ter um filho. 'Quero ser papai'. Ou a mulher fala 'quero ser mamãe'. Tem que arranjar uma mulher no primeiro exemplo e, no segundo, tem que arranjar um homem. Eu, para conseguir disputar uma eleição, tenho que ter um partido", disse o presidente, durante a entrevista. Ao afirmar que precisa do apoio dos parlamentares, Bolsonaro também ressaltou que para aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) no Congresso são necessários 308 votos.
Em julho de 2021, quando confirmou a escolha do senador Ciro Nogueira (PP-PI) como ministro da Casa Civil, Bolsonaro já havia dito que "Centrão" é um nome "pejorativo" para se referir a esse grupo de partidos que atua no Congresso. "Eu sou do Centrão", disse, à época. Em novembro do ano passado, após idas e vindas, Bolsonaro se filiou ao PL de Costa Neto.
Moro
Bolsonaro questionou se o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro (Podemos), que deve ser um de seus rivais na eleição de 2022, entrou no governo em 2019 com o objetivo de se preparar para concorrer à Presidência da República. "Se a população acreditar nele, não compete a mim", disse o chefe do Executivo na mesma entrevista.
"Ele teve um ano e quatro meses comigo. Não descobriu nada no governo? Prevaricou?", afirmou Bolsonaro, em referência a Moro, que pediu demissão do Ministério da Justiça em abril de 2020 e acusou o presidente de tentar interferir na Polícia Federal (PF) "Só que eu tinha um problema. Eu achava que a Polícia Federal poderia agir melhor", declarou o presidente.
Bolsonaro também voltou a dizer, durante a entrevista, que Moro queria ser indicado para uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). "Que petulância", criticou. "Ele foi no meu governo para fazer um trabalho sério, para se blindar ou para se preparar para ser futuro candidato à Presidência da República? Têm três alternativas. Não deu certo, tirei ele fora, tinha que tirar", declarou o presidente.
Desde que o ex-juiz da Operação Lava Jato se filiou ao Podemos, em novembro do ano passado, para concorrer nas eleições deste ano, apoiadores de Bolsonaro e o próprio presidente têm aumentado o tom das críticas a Moro. O próprio ex-ministro tem tentado se cacifar como candidato da terceira via, em meio à polarização entre o atual chefe do Executivo e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que lidera as intenções de voto
"Temos um país para salvar de uma triste polarização entre pelegos e milicianos. Vamos construir a nação moderna e inclusiva que queremos", escreveu Moro, no Twitter, ao anunciar uma viagem à Paraíba na semana passada.