Pedras se soltam e atingem três lanchas em Capitólio, Minas GeraisHandout / Minas Gerais Fire Department / AFP

O prefeito de Capitólio (MG), Cristiano Geraldo da Silva (PP), disse neste domingo, 9, que nunca foi feito um estudo de risco sobre os paredões de pedra da cidade. Em entrevista, o prefeito se justificou dizendo que nunca ocorreu nenhum acidente como o deste sábado, 8, e por isso, não há um estudo ou uma análise geológica dos paredões. O deslizamento de pedras no Lago de Furnas, em Capitólio (MG), atingiu quatro lanchas que estavam no local e causou dez mortes.
"Estamos fazendo um trabalho desde o ano passado sobre trombas d’água, para mobilizar os empresários, os turistas, para que ficassem atentos a elas. Queda de paredão de pedra nunca tivemos. É uma injustiça querer cobrar isso. Foi uma fatalidade", disse o prefeito em entrevista. "Olhar para dentro de uma tragédia e fazer um questionamento desse não seria virtuoso. Acredito que daqui para frente sim, a gente precisa fazer essa análise".
Representantes da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros e a Prefeitura responsabilizam a Marinha do Brasil sobre a fiscalização dos cuidados na exploração turística da área. Enquanto a Polícia, Bombeiros e Defesa Civil mineiros afirmam que é preciso esperar a conclusão das investigações.