Ator da Cidade de Deus grava série em Londres

Diego Ribeiro, de 23 anos, prepara piloto que conta a trajetória de um jovem negro e pobre que sonha em trabalhar com atuação

Por O Dia

Diego Ribeiro
Diego Ribeiro -

Rio - Depois de aparecer para o grande público no segundo episódio da série 'Sob Pressão', da TV Globo, Diego Ribeiro, de 23 anos, mais conhecido como Digão, está em Londres. E o jovem visita a terra da rainha para dar corpo ao sonho de gravar os episódios de um projeto independente idealizado por ele.

"No meu ensino médio, fiz cursos de roteiro para novas mídias, sempre gostei muito de escrever, e quando eu comecei a fazer teatro, eu me apaixonei pela atuação. Então, depois de um tempo, desenvolvi um projeto chamado 'Perdidão'. Nele, falamos sobre protagonismo negro e pegamos carona nos sitcons americanos de comédias com episódios independentes, que não seguem uma sequência. Algo tipo 'Um Maluco no Pedaço', 'Eu, a Patroa e as Crianças' e 'Todo Mundo Odeia o Cris'. Estou aproveitando a viagem para gravar o episódio piloto", explica Digão.

Negritude em foco

Na obra, o artista apresentará a história de um jovem negro e pobre que sonha em ganhar a vida como ator. "Vamos mostrar um menino vivido por mim, que sai do Brasil em busca de uma carreira internacional. Mas ele se frustra e volta para o país de origem. Sem o apoio da família, ele decide morar com um amigo e na luta pelo seu sonho, precisa enfrentar inúmeras situações de racismo. O diferencial é que queremos debater esse tema de forma leve e com humor para ser mais bem aceito e a mensagem ser absorvida pelas pessoas".

Família

Nascido e criado na Cidade de Deus, Digão cita a família como seu porto mais do que seguro e diz que suas vitórias se devem as mulheres de sua família. "Minha família é majoritariamente feminina, e essa garra feminina sempre me serviu como exemplo. Vi minha mãe dormir em fila para conseguir vaga pra mim em uma escola boa. Vi minha família inteira comemorar quando eu consegui vaga em um colégio de excelência", conta o artista.

Ele ainda finaliza emocionado. "Infelizmente, minha mãe faleceu no início deste ano, e eu estou sentindo muito ainda. Mas, de alguma forma, isso me deu um 'start' para começar a viver coisas que sempre sonhei. Minha mãe sempre foi minha fiel escudeira, a pessoa que mais me apoiou e influenciou a família a apoiar sabendo da importância que isso teria para a minha carreira. Fui a primeira pessoa da família a sair do país e, nesse momento, comecei a descobrir quão grande era tudo que eu estava alcançando e o quão forte isso era para a nossa família".

 

Comentários