Nelson Sargento celebra 95 anos com show em Niterói

Espetáculo é dirigido por Paulão 7 Cordas e conta com clássicos da carreira do sambista

Por Lucas França*

Nelson Sargento
Nelson Sargento -

Rio - Canta, compõe, escreve, atua, pinta e pesquisa. A lista de frentes artísticas, que quase acaba com o fôlego, é do sambista Nelson Sargento. Os 95 anos e a obra do músico, nascido no morro do Salgueiro e criado na favela da Mangueira, serão celebrados hoje, em um show na Sala Nelson Pereira dos Santos, em São Domingos, Niterói. O sambista comemora ao falar do que deve rolar logo mais. "É samba de raiz comandado pelo Paulão 7 Cordas. Tendo Paulão e o grupo dele, você pode crer que o samba está garantido!", conta Nelson ao falar do amigo violonista, que cuida da direção musical.

Paulão 7 Cordas retribui o elogio. "É maravilhoso dirigir o show de um cara que ainda tem tanto vigor", celebra. A "espinha dorsal" do show, segundo 7 Cordas, vem da apresentação de Nelson que ele também dirigiu em junho deste ano, no Teatro Rival, no Centro do Rio. A estrutura musical composta por violão, cavaquinho, percussão e a voz de Sargento chega ao público com um tom intimista e harmônico. Paulão brinca que ele e Nelson possuem um show "só com eles dois, mas como é uma homenagem, quanto mais gente melhor".

Nelson Sargento aproveita a ocasião para exaltar o estilo musical que tanto ama. "Falando sobre a importância do samba de hoje, ele tem um pouco do chamado samba de raiz. O samba é importante mesmo que mude seu rumo ou execução será sempre samba!", destaca.

Os sambas 'Falso Moralista', gravado por Paulinho da Viola, 'Falso Amor Sincero', 'Primavera' e o maior sucesso de Nelson Sargento, 'Agoniza Mas Não Morre', estarão presentes no show. O sambista, que gosta de dizer que completa "nove ponto cinco anos", tocou recentemente no Palco Favela do Rock In Rio. Na ocasião, Sargento foi enfático sobre a participação no festival: "Eu sou favela!".

Paulão 7 Cordas, que esteve com Nelson também no RIR 2019, conta que o Baluarte da Mangueira se mantém lúcido e disposto a fazer todo tipo de arte. O auxílio de cadeiras de rodas para se locomover não atrapalha Nelson Sargento a cantar e pintor os já famosos quadros, habilidade que ele adquiriu nos tempos em que trabalhou de pintor. Paulão define Nelson como alguém "magnífico" e destaca histórias ligadas à inteligência e memória do sambista.

"O Nelson talvez seja a pessoa mais inteligente que eu conheça do meu ciclo, e olha que eu conheço um monte de gente. Ele mantém a lógica, o raciocínio. Com o tempo de vida dele e a memória legal que tem, ele acaba lembrando de um monte de coisa. Ele já me contou que o Nelson Cavaquinho morreu na casa de seu pai, algo que fui saber através dele", diz o amigo e admirador de Sargento.

O show começa às 20h e terá ingressos disponíveis ao público por R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). A Sala Nelson Pereira dos Santos, que fica na Avenida Visconde do Rio Branco 880, em São Domingos, Niterói, tem capacidade de 491 lugares. Com classificação etária livre para todos os espectadores, o show com certeza irá diferentes gerações para prestigiar a música e a história de Nelson Sargento.

*Estagiário sob supervisão de Ricardo Schott

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários