'Sou inquieto por natureza', diz Dinho Ouro Preto

Vocalista do Capital Inicial lança álbum solo, podcast e canal no Youtube

Por Juliana Pimenta

Dinho:
Dinho: "Gosto de sair da zona de conforto" -

Rio - 'Inquieto por natureza": é assim que Dinho Ouro Preto se define. Mas vamos combinar que não é para menos. Aos 55 anos, o vocalista do Capital Inicial acaba de lançar um canal no YouTube, uma série de podcasts e o álbum digital 'Roque em Rôu'.

Para o cantor, as diversas iniciativas demonstram sua coragem em arriscar. "Gosto de sair da minha zona de conforto. No caso das novidades, o meu propósito é me aproximar mais das pessoas", conta Dinho sobre o disco composto por versões de sucessos nacionais, como 'Rolam as Pedras' (Kiko Zambianchi) e 'Saideira' (Skank).

"A ideia era homenagear o rock brasileiro. Dediquei minha vida a ele. Acredito que o rock brasileiro é uma parte importante da música popular do nosso país. Eu escolhi três décadas (1970, 1980 e 1990), e desses anos gravei doze canções", explica o músico, reforçando que foi difícil decidir quais seriam as escolhidas para o álbum.

Versão 2.0

E, como se a fama de garotão não fosse suficiente, Dinho prova que continua ligado nas tendências e comemora sua entrada no YouTube. "Meu canal fez um mês e ainda estou pegando o jeito. Gosto da ideia de criar um elo com as pessoas. Pretendo falar sobre as coisas que me interessam como música, cinema, livros e política", conta o cantor, que aproveitou o embalo para lançar também uma série de podcasts.

Inclusive, a ideia de criar os programas, veiculados às sextas na rádio Mix FM, veio da paixão de Dinho pelo formato. "Os podcasts que ouço são principalmente de notícias. Sou viciado em notícias e, para o meu próprio podcast, o propósito é simples: tenho muitas histórias pra contar", revela.

Capital Inicial

E, mesmo com planos de lançar um disco solo no ano que vem, Dinho não pensa em deixar o ‘Capital Inicial’. A especulação sobre a saída surgiu na semana passada quando, após deixar o Skank, Samuel Rosa aconselhou que Dinho e Rogério Flausino (Jota Quest) seguissem o mesmo caminho.

Com outra opinião, Dinho exalta o trabalho realizado ao lado dos colegas e destaca o show feito pela banda de 37 anos em outubro no Rock in Rio. “O Capital segue com sede, mesmo depois de tantos anos. E sobre o Rock in Rio é difícil explicar a sensação de pisar naquele palco. Eu estava calmo até que me vi de frente pra aquele mar de gente e meu coração quase explodiu. E olha que nós já somos veteranos. Mas eu acho que se um dia eu fizer pouco caso de evento dessa magnitude, se eu encarar com indiferença, se meu coração não se alterar, é melhor eu fazer outra coisa da vida”, confessa o músico, deixando clara sua satisfação em fazer parte da banda.

Tempo Livre

E com tantos projetos, quando sobra um (raro) tempo livre, Dinho confessa que corre para os livros ou procura um filminho para ver. Só que, nem mesmo de folga, o cantor abre mão de curtir uma música.

"Tenho ouvido bastante o disco novo dos Black Keys. Quando corro de manhã, tem sido ao som do novo disco do Noel Gallagher, que pra minha surpresa é ainda melhor que o primeiro. E quando quero relaxar é ao som de Alabama Shakes. Tenho ouvido mais coisas, como The Cult, Fresno e Scalene", recomenda.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários