Personagens de 'Salve-se Quem Puder' trocam de identidade

Atrizes falam dos bastidores das cenas de furacão

Por Gabriel Sobreira

Deborah Secco, Juliana Paiva e Vitória Strada, as protagonistas de 'Salve-se Quem Puder'
Deborah Secco, Juliana Paiva e Vitória Strada, as protagonistas de 'Salve-se Quem Puder' -

Rio - Em 'Salve-se Quem Puder', próxima novela das 19h, que estreia em janeiro de 2020 na Globo, três mulheres estão prestes a realizar seus sonhos. Mas um golpe do destino faz com que tudo na vida delas vire de pernas para o ar. É que elas testemunham um importante juiz ser assassinado em Cancún, no México.

"Aquele sonho que você nutre desde criança é um sonho? Uma obsessão? É o que vai realmente te fazer feliz?", questiona Daniel Ortiz, autor do folhetim, dando o mote da trama.

Na história, Alexia/Josimara (Deborah Secco) é uma atriz de musical, que viaja a Cancún para protagonizar sua primeira novela da Globo. Kyra/Cleyde (Vitória Strada) é uma mulher rica, decoradora, que vai à cidade mexicana planejar o casamento. Luna/Fiona (Juliana Paiva) conseguiu uma promoção no hotel onde trabalha, em Cancún, e descobriu o paradeiro da mãe dela, que a abandonou quando tinha 4 anos.

Novo nome e visual

Mas como são testemunhas de um crime, as três correm risco. Para a segurança de suas famílias, elas entram em um programa de proteção à testemunha e são obrigadas a abandonar o passado. É aí que um furacão passa pela vida delas. Literalmente! As amigas são dadas como mortas após a tempestade, assumem novas identidades, voltam ao Brasil e iniciam uma jornada de autoconhecimento misturada com aventura e boas pitadas de comédia.

"Vai ter uma mudança no visual delas. Principalmente no da Vitória (Strada) e da Deborah (Secco). Olhem para elas. Guardem bem essa imagem. Vai ser a última vez (que vão vê-las assim)", provoca o autor, aos risos, sem dar mais detalhes.

Ortiz morou um tempo no México e se perguntava como faria uma novela com furacão. Ele fez a sinopse, que foi aceita pela emissora. "E o Fred (Mayrink, diretor artístico da novela) teve que se virar", brinca o autor, que enfrentou o furacão Wilma, em 2005, quando vivia no país da América do Norte.

Efeitos

A "bola" foi passada para o diretor, que contou com o aporte da Globo para tornar possível o sonho de Ortiz. "A gente tem um investimento muito grande em computação gráfica, em efeitos especiais. Nesse primeiro bloco, isso está bem impresso ali", conta Mayrink, detalhando que o investimento veio em tempo, dinheiro e profissionais envolvidos.

"Além da computação, a gente gravou em um parque aquático aqui no Rio com uma piscina de ondas toda cercada por chroma key (fundo verde para reprodução de cenários aleatórios inseridos por computação gráfica)", explica o diretor.

Perrengues

Para o trio de protagonistas, não foram poucos os perrengues enfrentados nos bastidores para dar o tom de caos gerado pelo fenômeno natural. A gravação noturna dentro d'água foi um deles. "Já no capítulo dois começa a chover quando o furacão está se aproximando. As atrizes iam gravar durante um mês debaixo de água. O risco de uma delas pegar pneumonia e atrasar a produção era grande", destaca Ortiz, aliviado porque tudo correu sem imprevistos.

"Tivemos momentos muito difíceis. Mas eu confesso que no primeiro dia que fui lá na piscina, gravar o furacão, voltei para casa chorando de emoção. Falei: 'Estou realizando meu maior sonho de criança, estou me sentindo em Hollywood'", diz Deborah Secco.

 

Bastidores da tempestade

A sequência do furacão na novela vai durar cinco capítulos, mas para ser executada foi preciso praticamente um ano de planejamento e trabalho da produção dos efeitos visuais e especiais, envolvendo 60 profissionais de ambas as áreas. Com a utilização da fotogrametria (medição das distâncias reais dos objetos através da fotografia) aérea, a equipe de efeitos visuais escaneou uma área de 154 hectares em Cancún e registrou 10 mil imagens durante quatro dias para a reprodução da cidade em 3D nos estúdios da Globo.

"O melhor é que o Daniel (Ortiz, autor) ia visitar a gente nas gravações e falava: 'Nossa, não imaginei que isso fosse dar tanto trabalho'", lembra Deborah Secco, aos risos. "Quando você escreve uma palavrinha 'furacão', isso na decupagem de cena, meu amor, são dois meses gravando", completa Vitória Strada, com bom humor.

A gravação de parte da passagem do furacão foi realizada em cinco dias, em uma área de 450 m², na Zona Oeste do Rio. Sets com restaurante, posto de gasolina e ruas foram construídos e modificados após o furacão. A execução das cenas contou também com efeitos de ventania, chuva, explosão e inundação de ruas da cidade. "A gente foi para o olho do furacão literalmente", brinca Juliana Paiva.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários