Mais Lidas

Chineses estão de olho no Comperj

Acordo prevê retomada de obras somente na refinaria. Setor de plásticos está fora

Por thiago.antunes

Rio - A parceria entre a Petrobras e a China National Petroleum Company (CNPC) para conclusão das obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), paralisadas após o início da Operação Lava Jato, é vista com bons olhos e cautela por especialistas. O memorando de entendimento, que dá início ao negócio, foi assinado ontem em Pequim pelos presidentes da Petrobras, Pedro Parente, e o vice-presidente da CNPC, Wang Dongjin, que preside a PetroChina.

“Até o momento, não há nada muito claro. Só a proposta de um memorando”, aponta Bruno Sobral, economista e professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Uerj. “O Comperj é um ativo de grande potencial estratégico, mas está fora das prioridades da Petrobras”, diz. “Essa parceria é válida sob o ponto de vista de finalizar uma obra que se arrasta há anos”, acrescenta.

Opinião similar tem Mauro Osório, professor associado da Faculdade Nacional de Direito, da UFRJ, e coordenador do Observatório de Estudos sobre o Rio.  “A retomada do Comperj representará um alívio para o Estado do Rio e para o Município de Itaboraí com a entrada de recursos via ICMS”, estima Osório.

Na sua avaliação, o grande desafio seria ampliar este acordo, que prevê somente o término da refinaria, para que o Rio voltasse a produzir plástico. “O estado já foi o segundo maior produtor de plástico, hoje amarga a oitava posição”, lamenta.

“A intenção dos chineses é a exportação do óleo e não a retomada de todo complexo”, afirma Bruno Sobral. A afirmação do especialista é corroborada pelo fato de a CNPC ser sócia da estatal na exploração da área de Libra, a maior descoberta de petróleo do país, no pré-sal da Bacia de Santos, que começa a produzir em fase de testes este ano. E com a capacidade projetada da refinaria em processar 165 mil barris de petróleo por dia em sua primeira fase.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia