Seguindo algumas dicas, é possível economizar e proteger o orçamento - Arte O DIA
Seguindo algumas dicas, é possível economizar e proteger o orçamentoArte O DIA
Por MARTHA IMENES
Rio - Todos os meses institutos de pesquisa, como Fundação Getulio Vargas (FGV) e IBGE, por exemplo, divulgam índices de preços que impactam diretamente a vida do cidadão comum e muita gente nem sabe que tantos “is” são esses que vira e mexe damos de cara no noticiário. Para traduzir esse “economês”, O DIA listou três indicadores que têm reflexo direto no orçamento familiar: são eles o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e o Índice de Preços ao Consumidor (IPC).

O IGP-M, da FGV, reajusta contratos anuais, principalmente os de aluguel, energia, telefonia, escolas, e até alguns planos de saúde. Por isso, quando ele sobe, é preciso dar uma “pisada no freio” e buscar formas de negociar contratos e preços. “Um IGP-M de 7% ao ano significa que uma prestação de R$ 1 mil após 12 meses, vai aumentar para R$ 1.070”, exemplifica o professor Gilberto Braga, economista da Fundação D. Cabral e do Ibmec.

Já o IPCA, do IBGE, que é a inflação oficial do governo, reflete o preço final ao consumidor para produtos e serviços do varejo, como concessionárias de serviços públicos e internet.
“A meta atual de inflação é de 4,25% ao ano, sendo o mínimo 2,75% e o máximo 5,75%”, explica o economista. “Atualmente a inflação em 12 meses está em 3,37%. Ou seja, está dentro da meta do governo federal”, afirma o economista.

E tem ainda o IPC, calculado pela FGV, que adota como base as despesas de consumo. “Este índice é o que traduz com mais precisão o aumento dos preços”, adverte o professor. Entram na pesquisa desse índice itens como alimentação, habitação, vestuário, saúde e cuidados pessoais, educação, leitura e recreação, transportes, despesas diversas e comunicação. “Quando o IPC aumenta, o valor da prestação tende a ficar mais cara nas compras a prazo”, explica o economista Gilberto Braga.

Resultados
Para se ter uma ideia, o acumulado dos últimos 12 meses do IGP-M fechado em julho ficou em 6,39%. Já o IPC deixou a deflação registrada em junho, de 0,02%, e acelerou para alta de 0,31% em julho, informou FGV. Frente a terceira quadrissemana do mês, o avanço foi de 0,13 ponto percentual, de 0,18%. O Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central, na quinta-feira passada, mostrou que a média para o IPCA este ano passou de alta de 3,78% para elevação de 3,80%. A projeção para o índice em 2020 permaneceu em 3,90%. Ou seja, toda dica que dê para economizar uma graninha é bem vinda!
Publicidade
Como economizar energia
A mudança da bandeira tarifária para vermelha, que acrescenta R$ 6 a cada 100 quilowatt consumido, a conta de energia elétrica deve ir à estratosfera. Para dar uma aliviada no bolso, O DIA pegou dicas que possibilitam economia de até 40% no gasto com energia elétrica. "É preciso revisar os hábitos para que a conta de energia não estoure o orçamento familiar", adverte o economista Gilberto Braga, professor do Ibmec e da Fundação D. Cabral.
Publicidade
E a melhor maneira de economizar, segundo a Light, é priorizar o controle dos aparelhos classificados como vilões do consumo. E os maiores deles são: chuveiro, ar-condicionado, geladeira, iluminação, ferro elétrico e computadores.
Diminuir o tempo de banho quente no período mais frio, para quem tem chuveiro elétrico, e trocar a iluminação para lâmpadas de led são duas das principais dicas que podem fazer com que a conta dê um alívio no bolso.
Publicidade
"A lâmpada de led, embora tenha o custo da troca, consome 1/3 da mesma energia que uma lâmpada comum", explica o professor.
Usando o chuveiro elétrico de maneira consciente, o consumidor diminui os gastos de energia em 20%, informou a Light. A orientação é manter a chave seletora do aparelho na posição "verão". Além de reduzir o tempo do banho pela metade.
Publicidade
E para os calorentos, Gilberto Braga dá outra orientação: "Evite o uso do ar-condicionado no inverno já que o clima está mais ameno. Existe a opção do circulador de ar que é bem mais econômica".
A geladeira permanece ligada o dia todo e para ajudar na economia a recomendação é prestar atenção na borracha da porta. "Se não fechar corretamente, desperdiça energia e ainda pode prejudicar o armazenamento dos alimentos", avisa o professor.
Publicidade
Para chegar a uma economia de 40% na conta de luz, os consumidores podem adotar outras medidas. Uma delas, por exemplo, é acumular a roupa lavada para passar e não ligar o ferro em várias etapas.
"Apagar as lâmpadas dos ambientes não utilizados e vigiar os hábitos das crianças e de parentes que esquecem as luzes acesas também ajuda bastante", acrescenta o professor Gilberto Braga.
Fechando a conta para economizar uma grana de energia elétrica vem uma das dicas mais populares e muitas pessoas nem se ligam: tirar os aparelhos eletrônicos da tomada. Isso porque, em média, 10% da energia consumida em casa é gasta por aparelhos ficam no chamado stand by.
Publicidade
"Em média temos numa residência 15 equipamentos que utilizam essa tecnologia. Um decodificador de TV a cabo só é usado cerca de cinco horas por dia. Retirá-lo da tomada nas outras 19 horas, por exemplo, gera uma boa economia de energia", informou a Light.
O professor complementa: "Muitos deixam o computador ligado em espera o dia todo, impressora ligada, aparelho de ar-condicionado ligado. TV a cabo ligada 24 horas e etc, mesmo aparelhos sem uso que são mantidos na função stand by acabam consumindo energia. O melhor é tirá-los da tomada se não for usar".
Publicidade
Priorizar a troca de aparelhos eletrodomésticos, como geladeira, máquina de lavar, por exemplo, por aqueles que tenham selo Procel de eficiência energética também é uma recomendação de especialistas a ser seguida. Essa certificação é uma espécie de etiqueta que identifica os aparelhos que são mais econômicos.

Como gastar menos no transporte
Uma despesa essencial que consome grande parte do orçamento é o gasto com transporte. Para ajudar a ver um dinheirinho sobrando na conta no fim do mês, O DIA selecionou 6 dicas para quem quer economizar.
Publicidade
Uma despesa essencial que consome grande parte do orçamento é o transporte. Para ajudar a ver um dinheirinho sobrando na conta no fim do mês, O DIA selecionou dicas para quem quer economizar com essa despesa.

Parece clichê, mas quem deixa o carro em casa e vai trabalhar de transporte público consegue diminuir os gastos consideravelmente. Além do próprio combustível, a despesa com manutenção dos veículos, multas e estacionamentos também caem.

Além do metrô, trem e ônibus, há muita gente deixando o carro em casa para ir ao trabalho de bicicleta ou a pé. Muitos lugares têm ciclovias, bicicletários, serviço de aluguel de bike e até lugares em que é possível tomar banho. Além da economia no bolso, é possível incluir uma atividade física na rotina, e assim melhor a qualidade de vida e bem-estar.

A diferença de preço nas bombas varia muito de posto para posto e bairro para bairro. No site da Agência Nacional de Petróleo (ANP) - https://preco.anp.gov.br/ - tem a relação de
postos e os preços. A dica de especialistas é: sempre que for abastecer pesquisar preços. É recomendado identificar um ou mais postos que costumam cobrar menos e se programar para abastecer sempre neles.

Uma boa dica é revezar o carro com colegas que moram perto. É fácil fazer um esquema de caronas para levar as crianças na escola, por exemplo. Pergunte no colégio se há mais pais de bairros próximos na mesma classe do seu filho. A mesma lógica pode ser aplicada para ir trabalhar ou viagens curtas de fins de semana.

Se tiver carro bicombustível (flex), faça as contas e veja se não é mais vantajoso abastecer com etanol e não com gasolina. Já há aplicativos que fazem essa conta para você, como o ‘Álcool ou Gasolina, Chefia?’, disponível pra iOS e Android. A conta é simples: divida o preço do litro do etanol pelo valor do litro da gasolina. Se o resultado for maior do que 0,70, vale a pena colocar gasolina. Se for menor, é melhor usar álcool.
 
Publicidade
Medidas antes de ir ao supermercado
No supermercado é sempre uma surpresa. Mas há medidas que pode ser adotadas para proteger o orçamento da família.

Não vá às compras com fome ou com pressa
Quando vamos às compras com fome, temos a tendência de gastar mais do que devemos. Pegamos mais produtos por impulso e isso não ajuda em nada a economizar no supermercado. A pressa também é inimiga do bolso. Quando você tenta fazer as compras mais rápido acaba esquecendo o que precisa levar ou pega mais produtos do que deve. Então a dica é coma antes de ir ao supermercado e separe um tempo para as compras sem correria.

Evite levar crianças junto
Para muitas pessoas isso é difícil, porque não têm com quem deixá-las. Mas é importante saber que as crianças podem ser mais atraídas por produtos mais caros e até supérfluos. Se puder, tente não levar as crianças ao supermercado. Isso ajuda a economizar.

Faça uma lista antes de sair de casa
Essa dica é importante tanto para comprar apenas o que necessita, como para diminuir o tempo no supermercado. Com uma lista, é possível pegar todos os produtos de uma mesma sessão e não ficar dando voltas dentro do estabelecimento.

Defina um limite do quanto pode gastar
Tão fundamental quando a lista é determinar um valor que pode ser gasto na compra. Assim, é possível controlar as compras mantendo apenas o que realmente precisa. Essa dica também pode ser usada em outras situações como uma festa, baladas, viagens.

Monte um cardápio da semana
Uma sugestão para facilitar a vida de quem precisa fazer a lista do supermercado é montar um cardápio da semana. Assim, já se tem em mente todos os ingredientes que vai precisar e quais ainda não tem em casa.

Aproveite dia de promoções
Muitos supermercados têm dias especiais de produtos de limpeza e higiene, ou dia em que o hortifruti está mais barato. De acordo com o cardápio e a lista de compras, fica mais fácil escolher o dia que compensa mais ou que é mais vantajoso.

Pesquise preços nas redes
Uma ferramenta que pode ajudar nesse ponto é um guia de supermercado criado pela Proteste. No link https://www.proteste.org.br/suas-contas/ supermercado/simulador/guiade-supermercado é possível encontrar o melhor supermercado conforme o preço dos produtos e a localização.

Não faça compras muito grandes
Outra dica para economizar no supermercado é evitar fazer compras muito grandes. Quando o consumidor enche o carrinho, corre o risco de incluir produtos que não vai precisar. Além disso, a conta pode fugir do seu controle e, no fim, você acaba gastando mais do que deveria.

Compre no atacado
Também é possível economizar ao comprar no atacado. Mas lembre-se da dica anterior: não se empolgue e compre mais do que deve. Avalie o que realmente é possível comprar no atacado, como produtos não perecíveis ou materiais de limpeza e higiene.

Confira a validade
Não adianta comprar muitas coisas no atacado, se você não for consumir antes do prazo de validade.