GE promove ações sociais no Rio

Troca-troca de cartas incentiva a leitura e a escrita dos alunos da rede municipal de ensino

Por O Dia

Crianças conhecerão o colaborador e também vão aproveitar para 'matar' a curiosidade sobre o funcionamento da empresa
Crianças conhecerão o colaborador e também vão aproveitar para 'matar' a curiosidade sobre o funcionamento da empresa -
"Fazer o bem sem olhar a quem". O ditado popular se encaixa perfeitamente no dia a dia daqueles que dedicam parte do seu tempo a um trabalho voluntário. Ajudar crianças, idosos e pessoas em situação de vulnerabilidade ou que apenas precisam de um pequeno “empurrão” para mudar é uma ação que pode ser feita tanto na vida pessoal quanto na profissional.

Na GE Celma, unidade de aviação da GE, em Petrópolis, o programa de voluntariado, também conhecido como GE Volunteer, somente no ano passado, teve três mil participantes, entre funcionários, familiares e colaboradores aposentados. “Sempre tivemos uma grande taxa de adesão. Todos gostam de participar dos projetos e de estar presentes em ações que fazemos ao longo do ano, como a distribuição de presentes de Natal para as crianças do entorno”, explica Jaqueline Tibau, diretora de RH da empresa.

Troca-troca de cartas

Uma das ações mais populares que a GE Celma promove no seu programa de voluntariado é o troca-troca de cartas entre funcionários e alunos da rede pública da cidade de Petrópolis. A ação tem como objetivos estimular a leitura e a escrita em crianças do 4º e 5º ano do Ensino Fundamental (entre nove e 11 anos) e aguçar a curiosidade dos pequenos em relação a profissões e ao mercado de trabalho.

“O programa de voluntariado da GE tem quatro pilares: educação, saúde, meio ambiente e desenvolvimento comunitário. No pilar da educação, selecionamos duas escolas para o troca-troca de cartas. Essas instituições nos passaram uma lista com temas de interesse dos alunos. Nos adequamos e nossos colaboradores escrevem as cartas que são recebidas pelas crianças”, acrescenta Jaqueline Tibau, que ainda revela que, nas cartas, cada participante é orientado a assinar apenas o primeiro nome e que, uma vez recebida a primeira, o aluno e o voluntário ficam parceiros até o fim da brincadeira.

O troca-troca deste ano, iniciado em abril, terá em setembro o seu encerramento com o encontro entre os “amigos de correspondência”, na sede da GE Celma. Na ocasião, as crianças não só conhecerão o colaborador que foi seu companheiro por meses como também aproveitarão para “matar” a curiosidade sobre o funcionamento da empresa. “Quando as crianças recebem as cartas, nas escolas, a professora faz uma roda de leitura e todos compartilham seus conteúdos. O encerramento do projeto é o fim da espera e da ansiedade de conhecer o amigo”, frisa Tibau.
20 anos

O GE Volunteer, que completará 20 anos em 2020, também apoia outras ações dentro dos pilares da educação, meio ambiente, saúde e desenvolvimento comunitário. Este ano, um projeto que vem ganhando atenção e adesão dos funcionários e familiares é a parceria com o Instituto da Criança, um gestor de projetos sociais que atua no Rio de Janeiro e em São Paulo. “Foram nossos próprios colaboradores que trouxeram a instituição para o programa”, conta Jaqueline Tibau.

A parceria com a instituição vem rendendo debates e palestras semanais sobre temas como educação financeira e cidadania em escolas, selecionadas pela própria ONG, com alunos do 9º ano do Ensino Fundamental. “A proposta de fazer dentro de escolas foi nossa. Os bate-papos com os alunos têm rendido bons momentos e, quem sabe, podem ajudar em decisões futuras”, comenta Tibau.

No ano passado, cerca de três mil funcionários e familiares da GE Aviation participaram das ações promovidas pelo GE Volunteer. Mais de 5.800 pessoas, entre crianças, idosos e adultos em situação de vulnerabilidade foram ajudados pelo projeto. Este ano, até o fim do mês de abril, cerca de 800 colaboradores e parentes já estiveram presentes em palestras, debates ou alguma outra ação do programa. Até o fim de 2019, a expectativa é que o número de participantes e pessoas atendidas seja maior que o registrado em 2018.

Comentários