Edifício-Sede do Banco Central em BrasíliaMarcello Casal Jr/Agência Brasil

O acordo especial entre o Banco Central (BC) e o Federal Reserve, Banco Central norte-americano, que permite aumentar a oferta de dólares em US$ 60 bilhões, vigorará por mais três meses, decidiu há pouco o Conselho Monetário Nacional (CMN). Prevista para acabar no fim de setembro, a linha especial de swap foi estendida até o fim de dezembro.
Em março de 2020, pouco depois de a Organização Mundial de Saúde (OMS) decretar a pandemia de covid-19, o Federal Reserve anunciou um acordo com bancos centrais de diversos países para ampliar a oferta internacional de dólares e fazer frente à demanda maior pela moeda norte-americana. No caso do Brasil, estão disponíveis US$ 60 bilhões, que podem ser sacados se o BC desejar.
“Esta linha não implica condicionalidades de política econômica e amplia os fundos e instrumentos disponíveis para as operações de provisão de liquidez em dólares pelo BC. A linha de liquidez soma-se ao conjunto de instrumentos disponíveis do BC para lidar com a alta volatilidade dos mercados em decorrência da pandemia de covid-19.”, explicou o Banco Central em nota.
Esta é a terceira vez que a linha especial de crédito do Fed é prorrogada. Em agosto, o Conselho Monetário Nacional havia estendido o acordo com o Banco Central norte-americano até março deste ano. No fim de fevereiro, o acordo foi prorrogado até o fim de setembro.