A bola volta a rolar pelo Carioca

Sem público, Flamengo e Bangu se enfrentam hoje à noite, no Maracanã, no retorno do campeonato em meio à pandemia

Por O Dia

Torcedor alvinegro, Crivella pediu que a federação não puna os clubes que não jogarem em meio à pandemia
Torcedor alvinegro, Crivella pediu que a federação não puna os clubes que não jogarem em meio à pandemia -

Depois de três meses de paralisação, a bola volta a rolar pelo Campeonato Carioca no jogo entre Flamengo e Bangu, hoje, às 21h, no Maracanã, ainda sem a presença do público. Em meio à pandemia do novo coronavírus, a Federação de Futebol do Rio (Ferj), com a anuência do prefeito Marcelo Crivella, aprovou a retomada da competição. Segundo time grande a entrar em campo, o Vasco, que receberá o Macaé, domingo, às 16h, em São Januário, se uniu ao maior rival na queda de braço contra Botafogo e Fluminense, do outro lado.

Contrários à retomada imediata, o Glorioso e o Tricolor foram chamados de 'maus alunos' pelo presidente da Ferj, Rubens Lopes, pelo pedido de prorrogar o tempo de preparação. Com jogo marcado para segunda-feira, às 17h30, no Nilton Santos, contra a Cabofriense, o Botafogo só voltará a treinar a partir de sábado, no Niltão. O clube tem cinco jogadores infectados com covid-19 e afastou outros dois por descumprirem a orientação de isolamento social.

Após contratar um laboratório para realizar testes de covid-19 (sorológico e molecular) nos jogadores, integrantes da comissão técnica e departamento de futebol, o Fluminense aguarda o resultado dos exames para definir a data da volta dos treinos no CT Carlos Castilho, na Barra da Tijuca. Com compromisso marcado para segunda-feira, às 20h, contra o Volta Redonda, no Maracanã, o Tricolor bateu o pé e, ao lado do Botafogo, reiterou a posição de não entrar em campo e recorrer à justiça desportiva.

Apesar do pedido do prefeito Marcelo Crivella, torcedor alvinegro, para que a federação não puna os clubes que não quiserem jogar em meio à pandemia, o impasse está formado e sem uma solução de consenso.

Comentários