Khashoggi 'certamente parece' estar morto, diz Trump

Estados Unidos decidiram dar à Arábia Saudita 'mais alguns dias' para explicar o desaparecimento do jornalista há mais de duas semanas

Por AFP

Residência do cônsul saudita na Turquia
Residência do cônsul saudita na Turquia -

Washington - O presidente americano, Donald Trump, disse nesta quinta-feira acreditar agora que o jornalista Jamal Khashoggi está morto e alertou para consequências "muito severas" se a Arábia Saudita for considerada responsável.

"Certamente parece isso para mim. É muito triste", disse Trump a jornalistas quando perguntado se ele acreditava que Khashoggi, que desapareceu há mais de duas semanas, não está mais vivo.

Perguntado sobre uma possível resposta dos EUA à Arábia Saudita, que é acusada de assassinar o colunista do Washington Post, Trump disse: "Terá que ser algo muito severo. É ruim, uma coisa ruim".

"Mais alguns dias"

Os Estados Unidos decidiram dar à Arábia Saudita "mais alguns dias" para explicar o desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi há mais de duas semanas, reforçando a impressão de que Washington procura proteger seu aliado saudita.

Negando qualquer intenção de "encobrir" Riad, o presidente Donald Trump ressaltou nos últimos dias os interesses estratégicos que ligam seu país ao reino sunita, citando a luta contra o terrorismo, a necessidade de conter a influência do Irã xiita, bem como os contratos bilionários de armas.

No único indício de uma posição americana mais firme neste contexto, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin cancelou, nesta quinta-feira, sua participação em uma conferência de investidores em Riad.

O encontro, marcado para 23 a 25 de outubro, sofreu diversas deserções com crise provocada pela suposta morte de Khashoggi no consulado saudita de Istambul.

"Eu disse ao presidente Trump esta manhã que deveríamos dar a eles mais alguns dias, para que nós também tenhamos uma compreensão completa dos fatos" em torno do desaparecimento de Khashoggi, afirmou o chefe da diplomacia americana, Mike Pompeu.

"Nós deixamos claro que levamos este caso muito a sério", acrescentou ele depois de uma reunião no Salão Oval com Donald Trump.

No Twitter, o presidente americano garantiu que discutiu o caso "em detalhes" com seu secretário de Estado, mas não disse uma palavra sobre possíveis medidas futuras.

"Grande mala"

A publicação de novas imagens das câmeras de segurança mostrando os movimentos em Istambul de um oficial dos serviços de segurança próximo ao príncipe herdeiro saudita aumentou ainda mais a pressão sobre Riad.

Segundo o jornal New York Times, o homem em questão, Maher Mutreb Abdulaziz, que foi identificado pelas autoridades turcas como um dos membros de uma equipe de 15 agentes enviados por Riad para assassinar o jornalista, faz parte da comitiva do príncipe herdeiro e homem forte da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman.

Nas novas imagens divulgadas nesta quinta-feira pelo jornal pró-governamental turco Sabah, é possível ver um homem apresentado como Mutreb chegar às 6h55 GMT ao consulado da Arábia Saudita, e às 13h53 em frente à residência do cônsul.

Khashoggi havia entrado no consulado por volta das 10h15 e nunca mais saiu.

Mutreb pode então ser visto em fotos deixando um hotel de Istambul com uma "mala grande" e acompanhado por um grupo de homens às 14h15 GMT. Ele chega 45 minutos depois no aeroporto de Istambul para pegar um voo.

A imprensa turca, alegando basear-se em gravações sonoras feitas no local, já havia publicado na quarta-feira novas informações contundentes segundo as quais Jamal Khashoggi foi torturado e assassinado no consulado no dia do seu desaparecimento.

Investigação da ONU?

O Washington Post divulgou na quarta-feira o que apresenta como a mais recente contribuição de Jamal Khashoggi, um texto em que o repórter discute a falta de liberdade de imprensa no mundo árabe.

"Infelizmente, essa situação provavelmente não vai mudar", lamenta o jornalista nesta coluna transmitida por seu tradutor no dia seguinte ao seu desaparecimento.

A Anistia Internacional, a Human Rights Watch, os Repórteres Sem Fronteiras e o Comitê para a Proteção dos Jornalistas pediram à Turquia que solicite uma investigação da ONU sobre o caso Khashoggi.

"O envolvimento das Nações Unidas é a melhor garantia contra a mentira saudita ou contra tentativas de outros governos de ignorar o problema, a fim de preservar lucrativas relações comerciais com Riad", disse Robert Mahoney, diretor executivo ajunto do Comitê de Proteção dos Jornalistas, citado no comunicado.

"Dado o possível envolvimento das autoridades sauditas no desaparecimento forçado de Khashoggi e em seu assassinato, bem como pela falta de independência do sistema de justiça penal saudita, a imparcialidade de qualquer investigação por parte das autoridades sauditas seria questionável", acrescenta a declaração.

A Promotoria de Istambul divulgou uma declaração dizendo que informaria ao público sobre o andamento da investigação "se necessário".

Últimas de Mundo & Ciência