Parlamento pressiona Netanyahu e pode convocar novas eleições em Israel

Realização de novas eleições tão rapidamente é algo sem precedentes em Israel, e há uma preocupação com os custos e implicações desta prolongada paralisia política

Por AFP

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel -
Jerusalém - O Parlamento israelense aprovou, nesta segunda-feira, de forma preliminar, uma lei para sua dissolução. Este é o primeiro passo para possíveis novas eleições, que podem acontecer devido ao bloqueio nas negociações para formar um Executivo.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu garante, porém, que terá tempo para formar uma coalizão.


Seu prazo para formar um governo vai até quarta-feira à noite, segundo o mandato do presidente Reuven Rivlin, após as eleições legislativas em 9 de abril. As negociações das últimas semanas levaram, contudo, apenas a um impasse.

Este primeiro projeto foi aprovado com 65 votos a favor, 43 contra e seis abstenções. São necessárias mais três votações para a aprovação final da lei, que levaria à convocação de novas eleições.

Um dos grandes entraves de Netanyahu é seu ex-ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, que não parece querer ceder em uma de suas exigências para aceitar participar do governo - uma lei sobre o serviço militar de judeus ultraortodoxos.

"Eu propus uma solução, mas, até agora, não consegui convencer Avigdor Lieberman", declarou Netanyahu ao Knesset, o Parlamento.

"Vamos formar este governo de direita. Ainda há tempo e, em 48 horas, podemos fazer muitas coisas", garantiu.

"Não há nenhum motivo para fazer eleições inúteis que custarão caro e bloquearão todas as atividades no país", declarou.

A realização de novas eleições tão rapidamente é algo sem precedentes em Israel. Há uma preocupação com os custos e com as implicações desta prolongada paralisia política.

Esse também seria um duro revés para Netanyahu, que recebeu apoio do presidente americano, Donald Trump, um aliado próximo.

Comentários