Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, não conseguiu formar governo nas últimas eleições - MENAHEM KAHANA / AFP
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, não conseguiu formar governo nas últimas eleiçõesMENAHEM KAHANA / AFP
Por AFP
Jerusalém - O Parlamento israelense aprovou na primeira hora de quinta-feira (noite de quarta no Brasil) a convocação de novas eleições algumas semanas depois das legislativas de abril, um passo sem precedentes provocado pela tentativa do premiê Benjamin Netanyahu de se manter no poder apesar de não conseguir formar uma coalizão.

O Parlamento aprovou por 74 votos contra 45 sua dissolução e agendou novas eleições para 17 de setembro.


Netanyahu não conseguiu formar coalizão, apesar de seu partido, o Likud, e de seus parceiros de direita e religiosos terem conseguido assentos suficientes nas eleições de 9 de abril.

O ex-ministro da Defesa, Avigdor Lieberman, impediu o acordo ao se negar a renunciar a uma de suas demandas principais, o que bastou para que os cinco assentos de seu partido nacionalista Yisrael Beitenu arruinassem os esforços de Netanyahu.

Como resultado, Netanyahu pressionou para que fossem celebradas novas eleições a fim de evitar que o presidente israelense Reuven Rivlin selecionasse outro membro do parlamento para tentar formar governo.