Trump defende seus ataques a Baltimore e a deputado negro

"Os democratas sempre apelam pro racismo, quando, na realidade, eles fizeram muito pouco pelos formidáveis afro-americanos do nosso país", tuitou

Por AFP

Presidente americano Donald Trump
Presidente americano Donald Trump -

Washington - Mais uma vez acusado de racismo após ataques à cidade de Baltimore e a um representante (deputado) negro, o presidente americano, Donald Trump, defendeu-se neste domingo de manhã (28) e voltou a criticar a oposição democrata.

"Os democratas sempre apelam pro racismo, quando, na realidade, eles fizeram muito pouco pelos formidáveis afro-americanos do nosso país", tuitou.

No sábado, o magnata republicano atacou de forma virulenta Elijah Cummings, representante por Maryland, cuja circunscrição abarca grande parte de Baltimore. Essa cidade industrial de população majoritariamente negra sofre com problemas sociais como as drogas e a violência.

"O distrito de Cumming (sic) é um desastre asqueroso, infestado de ratos e roedores", tuitou Trump.

"Cummings tem sido um valentão brutal, gritando com os grandes homens e mulheres da Patrulha da Fronteira sobre as condições na fronteira sul, quando na verdade o distrito de Baltimore é MUITO PIOR e mais perigoso", acusou Trump. "Nenhum ser humano gostaria de viver ali", completou.

A resposta de Cummings chegou pela mesma rede social: "Senhor presidente, vou ao meu distrito todos os dias. Toda a manhã, eu me levanto e luto pelos meus vizinhos. É meu dever constitucional supervisionar o Poder Executivo. Mas é meu dever moral lutar pelos meus eleitores".

A presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi, considerou "racistas" as falas de Trump. Embora seja eleita pelo estado da Califórnia, Pelosi nasceu em Baltimore.

"@RepCummings é um campeão no Congresso e no país pelos direitos civis e justiça econômica, um líder amado em Baltimore e um colega muito apreciado", tuitou Pelosi.

"Rejeitamos os ataques racistas contra ele e apoiamos sua forte liderança", acrescentou.

"Que alguém explique para Nancy Pelosi, recentemente classificada de racista por alguns de seu próprio partido, que não tem nada de ruim em destacar o evidente: o representante Elijah Cummings fez um péssimo trabalho por seu distrito e pela cidade de Baltimore", rebateu Trump neste domingo.

"Falando de fracassos estrondosos, alguém já viu no que está se transformando o distrito de Nancy Pelosi em São Francisco? Ultimamente está irreconhecível", acrescentou.

Ontem e hoje, as declarações de Trump provocaram uma onda de respostas indignadas, menos de duas semanas depois de o presidente convidar quatro jovens representantes democratas mulheres, oriundas de minorias, a "voltarem" para os países "de onde vieram".

Uma dessas representantes, a democrata por Michigan Rashida Tlaib, acusou Trump, em entrevista à CNN neste domingo, de conduzir uma "campanha de ódio" destinada a omitir a ausência de propostas concretas em sua campanha pela reeleição.

"Você mostrou mais uma vez que não está à altura da função que ocupa. Um presidente deve levar seu país para cima. Não destruí-lo", criticou o ex-vice-presidente Joe Biden, que lidera a corrida democrata para a eleição presidencial em 2020 nos EUA.

No Twitter, a pré-candidata democrata Kamala Harris, também afro-americana, disse estar "orgulhosa" de ter sua sede de campanha no distrito de Cummings.

Trata-se de uma estratégia destinada ao fracasso, disse hoje o senador Bernie Sanders, outro pré-candidato democrata na corrida pela Casa Branca. "Os americanos não aceitarão um presidente que tenta nos dividir segundo a cor da nossa pele, ou nosso local de nascimento", afirmou.

No campo republicano, os comentários foram mais condescendentes.

"O presidente tem razão ao dizer que isso não tem nada a ver com raça", disse neste domingo à rede Fox News o chefe de gabinete da Casa Branca, Mick Mulvaney. Já o representante pelo Texas Will Hurd declarou à emissora de televisão ABC que "não teria tuitado dessa maneira".

Comentários