Fim dos tempos? Guerra nuclear entre EUA e Rússia mataria 34 milhões de pessoas em horas

Análise simulada feita por grupo da Universidade de Princeton projetou cenário de um possível conflito entre as potências; resultado é catastrófico

Por iG

Internacional's Paolo Guerrero (L) leaves the field in dejection as players of Athletico Paranaense celebrate at the end of the Brazilian Cup final football match at the Beira Rio stadium in Porto Alegre, Brazil, on September 18, 2019. (Photo by ITAMAR AGUIAR / AFP)
Internacional's Paolo Guerrero (L) leaves the field in dejection as players of Athletico Paranaense celebrate at the end of the Brazilian Cup final football match at the Beira Rio stadium in Porto Alegre, Brazil, on September 18, 2019. (Photo by ITAMAR AGUIAR / AFP) -
Mais de 90 milhões de pessoas morreriam ou sofreriam algum tipo de consequência caso uma guerra nuclear entre Estados Unidos e Rússia fosse iniciada. A catastrófica estimativa foi apontada por cientistas da Universidade de Princeton (EUA) e divulgada em estudo apresentado na última semana.
O time responsável pela pesquisa, e que realizou as simulações dos possíveis cenários da guerra, apontou que a crise se tornou mais plausível nos últimos anos, devido ao aumento das tensões entre as lideranças dos dois países, comandados por Donald Trump e Vladimir Putin, e diminuição nos controles de armas de destruição em massa.
A simulação, resultado de um estudo do Programa de Ciência e Segurança Global (SGS) de Princeton, sugere que cerca de 34 milhões de pessoas morreriam e outros 57 milhões seriam feridos apenas nas primeiras horas do confronto nuclear, e isso sem contar as pessoas que seriam afetadas pelos problemas futuros de uma explosão.
Ainda de acordo com o cenário, a destruição mundial incluiria a total incineração da Europa, que seria afetada e ‘trazida para o conflito’ mesmo sem ser uma das adversárias primárias da guerra, uma vez que a Otan provavelmente apoiaria a ofensiva norte-americana.
"Na esperança de frear tal aliança, a Rússia faria disparos de advertência a partir da base localizada na cidade de Kaliningrado, o que forçaria uma retaliação por parte da Otan, que provavelmente atingiria os russos com um ataque nuclear aéreo", apontam os responsáveis pelo estudo.
"Quando a ‘linha nuclear’ for ultrapassada, o conflito escalonará rapidamente para uma guerra atômica na Europa. A Rússia utilizaria seu arsenal bélico para acertar bases da Otan e facilitar o avanço de suas tropas. Tal movimentação seria respondida com outros disparos de bombas atômicas por vias aéreas", ressaltam.
A partir daí, milhares de ataques seriam realizados por ambos os lados, com bombas atingindo tanto os Estados Unidos e a Rússia, como mostram as linhas de ação, tanto azuis quanto vermelhas, no vídeo da simulação. O SGS afirma que a simulação foi "baseada na real postura adotada atualmente pelos países, incluindo aí os possíveis alvos e fatalidades".
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários