Devotos enfiam facas, revólveres e raquetes no rosto em festival; veja vídeo

Voluntários realizam um ritual para entrar em transe momentos antes da perfuração

Por iG

Tailandeses perfuram o corpo durante festival que acontece desde 1825 com a intenção de purificar o corpo
Tailandeses perfuram o corpo durante festival que acontece desde 1825 com a intenção de purificar o corpo -
Espadas de samurai, facas de cortar carne, raquetes e bastões afiados são vistos atravessando as bochechas de devotos taoístas na Tailândia.
O festival vegetariano que acontece em Phuket, na ilha sul, promove desfiles sangrentos e costuma chocar os visitantes com cenas em que homens e mulheres atravessam objetos no próprio rosto com a intenção de se purificar.
O evento dura nove dias e teve início no último sábado (28), com final previsto para a próxima segunda-feira (7).  Veja o vídeo com algumas cenas chocantes:

Imagens chocantes do evento que está acontecendo nesta semana registraram pessoas em uma procissão para exibir suas mutilações.

Em um vídeo é possível ver um homem que conseguiu atravessar duas espadas de samurai ao mesmo tempo em uma de suas bochechas. 

Mastros de bandeiras, buquês de flores e pedaços de frutas também são utilizados durante o ritual de purificação para atravessar a pele. 

Transe

Em alguns vídeos divulgados sobre a edição de 2019 é possível perceber que os voluntários realizam um ritual para entrar em transe momentos antes da perfuração. Essa seria uma forma de conseguir suportar a dor. Os cortes são feitos sem anestesia, mas contam com suporte de paramédicos.

Ao longo da procissão, os moradores oferecem comida, água e doces aos participantes. Fogos de artifício e músicas tradicionais são utilizados no evento, enquanto as perfurações são exibidas para pessoas de todas as idades. Alguns dos devotos também caminham em brasas. 

Os participantes de Phuket adotam uma alimentação vegetariana. O local congrega uma população numerosa de chineses e existe desde 1825, momento folclórico que marcou a história tailandesa.

Comentários