Fumaça no Vaticano? Só a da Capela Sistina, agora

Papa veta venda de cigarros na cidade-Estado, onde já era proibido fumar

Por

Um homem 'burla' a fiscalização e fuma um cigarrinho na Praça São Pedro, cartão-postal do Vaticano
Um homem 'burla' a fiscalização e fuma um cigarrinho na Praça São Pedro, cartão-postal do Vaticano -

O Papa Francisco ordenou a proibição da venda de cigarros na Cidade do Vaticano uma importante fonte de rendimentos para os cofres da cidade-Estado porque estes prejudicam a saúde, como informado oficialmente ontem. Como já era proibido fumar no território papal, fumaça, agora, só a expelida pela chaminé da Capela Sistina, na rara cerimônia de anúncio de um novo Santo Padre.

"O motivo é muito simples: a Santa Sé não pode contribuir com uma atividade que afeta claramente a saúde das pessoas", afirmou em comunicado o porta-voz do Vaticano, Greg Burke.

"Apesar da venda de cigarros a funcionários e aposentados a um preço reduzido ser uma boa fonte de rendimentos para a Santa Sé, nenhum lucro é legítimo se custa a vida das pessoas", acrescenta a nota.

A venda será proibida a partir de 2018, e portanto os funcionários do Vaticano, cerca de 6.000 pessoas, não poderão mais comprar cigarros nas lojas internas, que estão isentas de impostos.

O Papa Francisco quando era jovem teve problemas em um pulmão, e por isso não fuma.

O Vaticano promulgou em 2002, antes da Itália, lei que proíbe fumar em locais públicos, embora permitisse a venda de maços de cigarros com desconto em sua loja interna, situada na ex-estação de trens do Vaticano.

Os Estados Pontifícios foram os primeiros a importar a planta de tabaco, e algumas gravuras e pinturas antigas mostram um Papa fumando.

João Paulo I perto de virar santo

Papa Sorriso: 33 dias no cargo - Reprodução

O Papa Francisco reconheceu os "valores heroicos" de João Paulo I, abrindo caminho para a beatificação, anunciou ontem a assessoria de imprensa do Vaticano.

Jorge Bergoglio assinou na quarta-feira o decreto para Albino Luciani, que se converte de forma oficial em venerável e poderá ser beatificado se a Igreja reconheceu um milagre obtido mediante sua intervenção.

João Paulo I, conhecido como "o Papa sorriso", foi o pontífice italiano e um dos mais efêmeros: eleito em agosto de 1978, faleceu 33 dias mais tarde, depois de sofrer um infarto aos 65 anos.

Neste breve período, levou a Santa Sé a adotar uma maior simplicidade, mas a Cúria, o governo do Vaticano, não gostou muito.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários