Um atentado terrorista em Barcelona levou pânico à Espanha após uma van atropelar vários pedestres em La Rambla (extenso calçadão conhecido como Las Ramblas pelos turistas), uma importante via no centro da capital da Catalunha. Ao menos 13 pessoas morreram e mais de 50 ficaram feridas. O atropelamento foi no final da tarde desta quinta-feira, 17 de agosto - AFP PHOTO / LLUIS GENE
Um atentado terrorista em Barcelona levou pânico à Espanha após uma van atropelar vários pedestres em La Rambla (extenso calçadão conhecido como Las Ramblas pelos turistas), uma importante via no centro da capital da Catalunha. Ao menos 13 pessoas morreram e mais de 50 ficaram feridas. O atropelamento foi no final da tarde desta quinta-feira, 17 de agostoAFP PHOTO / LLUIS GENE
Por ESTADÃO CONTEÚDO

Madri - A Espanha está retirando milhares de policiais extras que foram enviados à Catalunha após o plebiscito de outubro, em que a população local votou pela independência da região.

Segundo o ministro Juan Ignacio Zoido, os cerca de 5 mil policiais adicionais já não são mais necessários, uma vez que a situação na Catalunha voltou à normalidade, após Madri assumir o controle da região devido a uma declaração de independência anunciada semanas depois do plebiscito.

O governo espanhol foi alvo de críticas por ter usado força policial para evitar a realização do plebiscito. Na ocasião, centenas de pessoas, incluindo policiais, ficaram feridas.

Posteriormente, a Espanha derrubou o governo catalão, dissolveu o Parlamento regional e convocou novas eleições, que ocorreram no último dia 21.

Você pode gostar
Comentários