Diana (Fernanda Nobre), Virgílio (Ricardo Pereira) e Amália (Marina Ruy Barbosa) em 'Deus Salve o Rei' - Reprodução
Diana (Fernanda Nobre), Virgílio (Ricardo Pereira) e Amália (Marina Ruy Barbosa) em 'Deus Salve o Rei'Reprodução
Por Gabriel Sobreira
Publicado 01/02/2018 03:00 | Atualizado há 3 anos

Rio - Em 2003, aos 24 anos, Ricardo Pereira já tinha uma carreira estável em Portugal. Mas nada o impediu de fazer as malas quando foi aprovado para viver um protagonista no outro lado do Atlântico, mais preciso no Rio de Janeiro, no antigo Projac, atual Estúdios Globo. Detalhe: o primeiro protagonista não-brasileiro da Globo. De lá para cá, já são 15 anos de trabalhos não só no Brasil, como em Portugal, Alemanha, França e até Holanda.

RIO DE JANEIRO

Hoje, com 38 anos, ele (completa 39 em setembro) está casado com a também portuguesa Francisca Pinto, é pai de três filhos cariocas e não faz planos de voltar definitivamente para Portugal. "Sou português, amo meu país, matamos a saudade ao longo do ano de Portugal, gosto muito de trabalhar lá, mas nesse momento estou no Rio, meus assuntos profissionais também. E chega um momento que você não tem mais que escutar a opinião da família. E pode morar em uma cidade e trabalhar em quase qualquer canto do mundo. O Rio é uma cidade que amamos e nos acolheu tão bem", diz.

CONSELHEIRO

Conselheiro de Portugal no mundo e integrante do Conselho de Curadores da Fundação Luso-Brasileira, Ricardo é o principal ator português na TV brasileira e isso é uma referência para colegas. "Quem me pergunta, tento ajudar dando as diretrizes. E tem muitos atores brasileiros que querem trabalhar em Portugal. Falo com eles do mercado, acolho, mando para empresários. Apresento para produtores de teatro, diretores de cinema... Todos querem alargar a carreira. Os artistas têm que se ajudar e só assim ficaremos fortes. É assim que temos que caminhar", torce.

NOVELA DAS 19H

No ar em 'Deus Salve o Rei', novela das 19h, da Globo, Ricardo tem se divertido com o retorno do público. "Uns dizem: 'Cara, tenho pena de você, tinha aquela mulher e tiraram de você'. Outros ficam com calafrios e dizem: 'Estou com medo de você, do que pode fazer'",lembra o ator.

A TRAMA

Na história de Daniel Adjafre, Virgílio (Ricardo Pereira) é um comerciante de tecidos. Ele tem um grande amor e vivia por essa paixão. "Vivia", no passado, porque o mundo dele ruiu quando descobriu que a amada, Amália (Marina Ruy Barbosa), estava se relacionando com outro, Afonso (Romulo Estrela).

Inconformado, Virgílio trapaceia, mente, manipula, humilha, desdenha e é capaz de matar só para ter a mulher de volta aos seus braços. "Perder e ser traído naquela época era perder a dignidade, a integridade e a posição social. E tocou muito nele. Transformou-o em outra pessoa, rancorosa, vingativa, que quer justiça e para isso não vai olhar meios para conseguir o que quer. Ele é capaz de tudo", define Ricardo Pereira o vilão de 'Deus Salve o Rei'.

Mas se pensa que as maldades de Virgílio ficarão apenas no âmbito "separar Amália de Afonso", pode tirar o cavalo medieval da chuva. O ex-traído quer mais. "A ambição dele é poder, ele quer dominar, reinar. Ele tem ambição de chegar na nobreza e vai ter que juntar parceiros maiores. A Diana (Fernanda Nobre), amiga da Amália, é uma escada para chegar no objetivo dele. Ele é extremamente ambicioso", entrega. Com esse cenário em vista, Virgílio ainda vai se envolver com Catarina (Bruna Marquezine). "O querer chegar longe e ser alguém ultrapassa o amor e posição social. Ter não só o amor da Amália, mas ser rei", afirma ele.

GALÃ

Parte da astúcia de Virgílio vem do charme que ele exerce nos demais personagens. "Ele é um vilão sedutor. É uma cobra que morde na hora certa. Ele sempre vai usar a inteligencia, sedução, a cabeça. E trabalhar no fio da navalha, na delicadeza, na postura, elegância, fineza, detalhe. Ele leva a conversa para onde quer e dá o bote", explica Ricardo, que não tem problemas em ser chamado de galã. "Sou bonito, não posso ter essa falsa modéstia. Faço galã no teatro, na TV, no cinema. Vou fazer muitos galãs. Procuro cuidar do meu físico não só como ferramenta do meu trabalho, mas por ser pai de três filhos. Cuido por eles e por minha mulher também. Se eu continuar a envelhecer bem, ainda sendo moleque (risos), em alguns anos acredito posso fazer galã de 40, 50, 60", torce.

RITUAL

Detalhista e observador, Ricardo Pereira segue um pequeno ritual antes de entrar em cena como Virgílio. "Me isolo um pouco, o figurino também ajuda porque são roupas difíceis de vestir. Escuto música medieval, que me leva para um lugar distante, e faço muito aquecimento vocal", entrega. "Eu emburaco nos personagens e vivo intensamente cada detalhe, levo à exaustão. Seja no teatro, na TV ou no cinema, a beleza está nos detalhes. E isso é fundamental para contar a história com verdade e paixão. Os personagens têm que ter verdade", completa.

FAMÍLIA

Mesmo com a correria de muitas cenas para gravar e compromissos profissionais fora do país, Ricardo tem seus limites. "Sou workaholic, mas me policio. Defendo coisas que acho fundamental. Durmo oito horas, tenho uma alimentação saudável, prezo muito o tempo em família e diria 'não' para poder passar tempo com eles", confessa ele, que faz questão de ser um pai presente. "E minha mulher é fundamental e me ajuda. Ela trabalha com moda e sempre que pode me manda imagens deles durante o dia para preencher o tempo que estou longe deles. Ela é uma guerreira, mãe de três filhos, tem uma atividade intensa de trabalho e consegue estar presente", derrete-se apaixonado. Ricardo fala que é um desejo dele e da mulher acompanhar cada momento das crianças e eles se dividem bem. Seja no esporte, trocando fraldas, lendo histórias. "A gente ama ser pai e mãe", revela. Mas não pense que a família parou de crescer, pois no que depender dos Pereira, ainda vem mais um herdeiro. "A gente queria ter quatro. Então é bem possível daqui a alguns anos", avisa, aos risos.

Você pode gostar
Comentários