Mais Lidas

Lista de Fachin: PSOL pede afastamento de citados do alto escalão

Líder do partido na Câmara, Glauber Braga (RJ) quer a saída de ministros, presidentes da Câmara e do Senado e relatores de projetos importantes

Por caio.belandi

Brasília - O líder do PSOL na Câmara, Glauber Braga (RJ), sugeriu nesta quarta-feira, que mencionados na lista do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edison Fachin, que estão em postos de comando, sejam afastados. Glauber pediu que ministros, presidentes da Câmara e do Senado, além de relatores de projetos importantes, se dediquem exclusivamente às suas defesas.

Glauber Braga (PSOL-RJ) quer saída de políticos de cargos importantes, como ministérios e presidências do CongressoAntonio Augusto/Agência Câmara

"Não é possível que a gente tenha como relator da Reforma da Previdência, que mexe profundamente nos direitos da maioria dos brasileiros, alguém que esteja indicado na lista", disse Glauber, referindo-se ao deputado Arthur Maia (PPS-BA).

O líder do PSOL argumentou que os políticos mencionados e que ocupam postos-chave não têm legitimidade política para "tocar essas tarefas". "Não tem o menor cabimento essas reformas continuarem sendo votadas sem o afastamento desses representantes políticos", insistiu.

O PSOL também anunciou que vai avaliar, caso a caso, os nomes investigados e fazer uma avaliação para possível representação por quebra de decoro parlamentar no Conselho de Ética.

O partido também prepara uma medida judicial pedindo que o presidente Michel Temer seja investigado. Temer é citado em dois inquéritos encaminhados pela Procuradoria-Geral da República (PGR), mas não será investigado em razão da "imunidade temporária" que detém na condição de chefe do Executivo.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia