Mais Lidas

Engenheiro que parcelava e dava desconto em propina é preso pela PF

Profissional prestava serviço de fiscalização em obras para Caixa Econômica no interior de São Paulo

Por caio.belandi

São Paulo - Policiais federais prenderam, nesta sexta-feira, em Jales (SP), um engenheiro civil que presta serviços de fiscalização em obras para a Caixa Econômica Federal. Antonio Eden Cabral Paro foi preso em flagrante, na Operação Liquidação, quando havia acabado de receber R$ 5 mil, parte em dinheiro vivo e parte em cheque, relativos a uma propina que teria exigido de um empresário da construção civil. 

O engenheiro foi preso pela PF em flagrante com 5 mil em dinheiro%2C perto de uma agência da Caixa de Jales (SP)Divulgação/Polícia Federal

Paro, de 63 anos, mora em Votuporanga, a 66km de onde foi preso. Segundo a PF, ele é credenciado pela Caixa para fiscalizar obras financiadas em vários municípios da região de São José do Rio Preto, inclusive do programa Minha Casa, Minha Vida. No flagrante, ele negou o crime e alegou que o dinheiro se referia a trabalho de consultoria.

Propina com desconto e parcelada

Os policiais receberam informações de que o acusado exigia propina para que parcelas de financiamentos da Caixa fossem liberadas. Segundo a PF, enquanto o empresário não pagasse a quantia exigida, o engenheiro não aprovava o andamento da obra e a parcela do financiamento ficava bloqueada - na prática, não era liberada pela Caixa.

Paro será indiciado pelo crime de corrupção passiva, com pena de até 12 anos de prisão. Ele vai ser encaminhado ainda nesta sexta a presídio da região de Jales. A Operação foi batizada "Liquidação" em alusão à conduta do engenheiro que, segundo a PF, dava descontos e parcelava o pagamento da propina exigida.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia