Mais Lidas

Em discurso de posse, Jungmann critica classe média que financia crime consumindo drogas

Ministro assumiu o comando do Ministério Extraordinário da segurança Pública nesta terça-feira, em cerimônia que contou com a presença do presidente Michel Temer e do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes

Por O Dia

Brasília - O presidente Michel Temer e o ministro da Defesa, Raul Jungmann durante reunião do Conselho Militar de Defesa, no Ministério da Defesa (Marcos Corrêa/PR)
Brasília - O presidente Michel Temer e o ministro da Defesa, Raul Jungmann durante reunião do Conselho Militar de Defesa, no Ministério da Defesa (Marcos Corrêa/PR) -

Brasília - Em seu discurso de posse no comando do Ministério Extraordinário da Segurança Pública, o ministro Raul Jungmann criticou a classe média que pede segurança, mas, ao mesmo tempo, consome as drogas ilícitas que financiam o crime organizado.

“Me impressiona no Rio de Janeiro, onde vejo as pessoas durante o dia clamarem pela segurança, contra o crime, e à noite financiarem esse crime pelo consumo de drogas. Não é possível! São pontas que se ligam e precisam de estratégias diversas para serem combatidas”, disso Jungmann.

A cerimônia, realizada nesta terça-feira no Palácio do Planalto, teve a participação do presidente Michel Temer, dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes e Dias Toffoli, do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e de outros ministros do governo.

Ele ainda defendeu um papel maior do governo federal na segurança. Hoje, essa responsabilidade recai principalmente sobre os estados. Jungmann ainda chamou atenção para o fato de a segurança, diferente da educação e da saúde, não ter piso de gastos públicos.

O ministro ainda falou sobre as “quadrilhas” que continuam dentro do sistema carcerário apavorando a cidadania e que o sistema se tornou um “home office” do crime organizado.

“Se olharmos mais amplamente o que vem acontecendo em termos do crime organizado, o cenário é tão desolador ou mais. É dentro do sistema prisional brasileiro que surgiram as grandes quadrilhas que nos aterrorizam. Quadrilhas que continuam, de dentro do sistema carcerário,a controlar o crime nas ruas e a apavorar a nossa cidadania. Sistema carcerário esse que, infelizmente, continua a ser em larga medida o home office do crime organizado”, afirmou o ministro.

O novo ministério foi criado por meio de Medida Provisória publicada na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União. Uma das funções do ministro será gerenciar o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) que, junto com a Polícia Federal (PF), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Força Nacional passarão a ser coordenadas pela nova pasta e não mais pelo Ministério da Justiça.

Jungmann ainda afirmou que a criação do ministério tem o objetivo de integrar ações com estados e municípios. “Eu diria que a União precisa ampliar suas responsabilidades e coordenar e promover a integração entre os federativos, estados e municípios”, disse.

O ministro também defendeu o combate do crime organizado, masf sem violar direitos humanos. “Combater duramente, enfatizo, duramente, o crime organizado, sem jamais desconsiderar a lei e os direitos humanos”, declarou.

Raul Jungmann ocupava o Ministério da Defesa desde o início da gestão de Temer, em maio de 2016. Com a saída dele, o general do Exército Joaquim Silva e Luna assumiu de foma interina o comando da pasta.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários